Tamanho do texto

Ministro das Relações Exteriores diz que número de vítimas ainda pode subir; 37 pessoas morreram e 36 ficaram feridas

Imagem mostra corpo de um turista morto
AP
Imagem mostra corpo de um turista morto

Pelo menos cinco britânicos morreram no ataque cometido em dois hotéis da cidade turística de Sousse, na Tunísia, nesta sexta-feira (26), informou o ministro das Relações Exteriores Philip Hammond.

Segundo Hammond, esse número ainda pode subir e também o de vítimas – 37 pessoas morreram no ataque, que teria sido comandado por integrantes do Estado Islâmico.

As autoridades alertam para que os visitantes permaneçam em seus quartos nos hotéis em caso ocorra mais algum atentado.

Segundo relatos de hóspedes, houve troca de tiros entre seguranças dos hotéis e os atiradores. Ao jornal britânico Daily Mail, turistas descreveram ainda explosões que podem ter sido de bombas. "Ouvi um barulho que parecia de um trovão", disse uma testemunha.

Leia também:

Ataques espalham medo e mortes em três continentes

Explosão em mesquita mata ao menos 25 pessoas no Kuwait

Britânico vira 'escudo humano' para salvar a noiva em ataque na Tunísia

O crime ocorreu poucas horas após o atentado realizado em uma usina de gás na França, que deixou um homem decapitado e vários feridos. 

Como os muçulmanos estão no período do Ramadã, a mídia local informa que a maior parte dos mortos é estrangeira.

A Tunísia virou palco recente de um massacre atribuído ao Estado Islâmico. Em março, o Museu Nacional de Bardo, na capital Tunis, foi invadido por três terroristas. Vinte e uma pessoas, a maioria turistas europeus, foram mortas.

Ataque contra museu deixa 24 mortos na Tunísia

No último dia 18 de março, dois terroristas invadiram o Museu do Barco e atiraram contra dezenas de turistas que visitavam o acervo, que fica na capital do país, Túnis. O portal especializado em monitoramento de terrorismo SITE informou que o grupo extremista Estado Islâmico (EI, ex-Isis) assumiu a autoria do atentado.

*Com AP

Veja também fotos dos ataques na França, Kuwait e Tunísia:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.