Tamanho do texto

Festa em Yulin abate cerca de 10 mil cães para servir como refeição; nova geração não aceita tratar PETs como comida

O festival de carne de cachorro de Yulin, onde cerca de 10 mil cães são abatidos para serem servidos aos visitantes, muitas vezes é erradamente encarado como uma antiga tradição chinesa.

2013:  Clérigos autorizam sobreviventes da guerra síria a comer carne de cachorro

Cães levados em gaiolas para abate durante evento em província chinesa
Reprodução/Youtube
Cães levados em gaiolas para abate durante evento em província chinesa

Mas o fato é que o festival só começou a ser realizado em 2009 na cidade do sudoeste da China para celebrar o solstício de verão. O consumo de carne de cachorro tem precedência histórica na China. No seu apogeu durante a Dinastia Han (202-220), carne de cachorro era considerada uma iguaria.

RJ:  Pastelarias têm trabalho escravo e carne de cachorro

No entanto, o hábito perdeu sua força durante as dinastias Sui-Tang (581-907) e passou a ser visto como indecente. Dinastias posteriores valorizaram os animais como ajudantes e em caçadas e amigos.

No século 21, comer carne de cachorro está sendo encarado com fortes críticas na China. Três décadas de expansão econômica gerou um exército crescente de amantes dos animais e donos de PETs que acredita passar dos 30 milhões.

Dos estimados 130 milhões de cães da China, pelo menos 27 milhões são animais de estimação urbanos, de acordo com o grupo de pesquisa Euromonitor. Como os jovens precisam se mudar para as metrópoles em busca de melhores oportunidades, acabam encarando os animais como companhia na ausência da unidade familiar.

Com o novo vínculo, esta nova geração de chineses veem cães e gatos como indivíduos merecedores de compaixão. Mais importante, eles são encarados como amigos, e não como comida.

Da mesma forma, o abate brutal de cães em toda parte dos subúrbios de Pequim há dez anos agora praticamente desapareceu. Em 2011, as autoridades locais encerraram o Festival de Carne de Cachorro Jinghua sob condenação nacional.

O comércio de carne de cachorro é uma séria ameaça para a saúde humana, e as autoridades chinesas têm todos os motivos para estar do lado dos defensores dos animais, já que o país tem a segunda maior incidência de raiva em humanos do mundo.

De acordo com o ministério de saúde da China, na província de Guangxi, onde Yulin está localizada, há o maior número de casos do país.

*Com CNN

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.