Tamanho do texto

Reforço da embaixada pela polícia britânica, desde que Assange está no local, custou cerca de 10 milhões de libras

O fundador do Wikileaks, Julien Assange, cumpre hoje (19) três anos de refúgio na Embaixada do Equador em Londres, sem que tenha sido interrogado pela Justiça sueca sobre acusações de crimes sexuais ou que seu caso tenha sido resolvido.

Assange nega crime sexual e se recusa a ir à Suécia por temer ser extraditado aos EUA
PA
Assange nega crime sexual e se recusa a ir à Suécia por temer ser extraditado aos EUA


Para fazer avançar o processo, o Ministério Público sueco aceitou em março ir a Londres ouvir o australiano, de 43 anos, que nega as acusações e se recusa a ir à Suécia por temer ser extraditado para os Estados Unidos.

Segundo Assange, uma audiência com a procuradora sueca Marianne Ny, prevista para quarta-feira 17, foi anulada. “É impossível manter a confiança na magistrada nessas circunstâncias”, afirmou em comunicado divulgado terça-feira.

Leia mais:

Wikileaks mostra documento pirateado em ataque virtual norte-coreano à Sony

A anulação não foi confirmada pelo Ministério Público sueco, que na segunda-feira anunciou ter apresentado um pedido oficial às autoridades do Reino Unido para ouvir Assange em Londres, em junho, e julho.

Dois dias depois, o Ministério dos Negócios Estrangeiros equatoriano informou que avalia o pedido “em um espírito de cooperação judicial”.

Em causa estão uma alegação de violação e outra de agressão sexual apresentadas por duas mulheres suecas em 2010. Até agora, ele não formalmente acusado e recusa essas acusações, argumentando que as relações sexuais mantidas foram consensuais.

Em junho de 2012, quando perdeu o processo de extradição no Reino Unido, pediu asilo político ao Equador, convicto de que se viajasse para a Suécia para ser ouvido seria extraditado para os Estados Unidos, que o querem processar pela divulgação de milhares de documentos diplomáticos e militares confidenciais, no caso Wikileaks.

Com mandado de detenção europeu emitido desde então, Assange não pode sair da embaixada equatoriana porque seria imediatamente detido pela polícia britânica e entregue à Justiça sueca.

O reforço da vigilância da embaixada pela polícia britânica, desde que Assange está refugiado no local, custou em três anos cerca de 10 milhões de libras (14 milhões de euros), segundo a imprensa britânica.

Assange tem comparado a vida na embaixada à vida em uma estação espacial. Na área que ocupa, um escritório e uma área de habitação, dispõe de chuveiro, micro-ondas e uma lâmpada solar, além de ligação à internet.

“Ele não vê o sol há três anos porque a embaixada não tem qualquer espaço exterior. Os seus direitos têm sido gravemente violados”, afirmou a Wikileaks.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.