Tamanho do texto

Durante discurso, o presidente pediu também que os EUA repensem a violência causada pelo uso das armas de fogo

Visivalmente consternado, Barack Obama afirmou, durante pronunciamento na Casa Branca nesta quinta-feira (18), que "há algo trágico" no ataque a uma igreja voltada à comunidade negra da Carolina do Sul. Ele destacou também que os EUA devem "reconhecer que esse tipo de violência não ocorre com tanta frequência em outros países desenvolvidos."

EUA: "Vim matar negros", teria dito atirador antes de ataque em igreja

Barack Obama faz uma pausa enquanto fala sobre o ataque à negros em igreja da Carolina do Sul durante pronunciamento na Casa Branca
AP
Barack Obama faz uma pausa enquanto fala sobre o ataque à negros em igreja da Carolina do Sul durante pronunciamento na Casa Branca

Mais cedo:  Polícia dos EUA prende suspeito por ataque em igreja da Carolina do Sul

Durante o discurso, Obama pediu que o país repense sobre a violência causada pelo uso das armas de fogo e destacou que o controle do armamento deve ser discutido. 

Mais cedo, o suspeito de ter deixado nove mortos na Emanuel African Methodist Episcopal Church em Charleston, Carolina do Sul, Dylan Storm Roof, de 21 anos, foi preso. Roof foi detido em Selby, Carolina do Norte, cerca de 13 horas após o tiroteio em Charleston. A polícia disse que o atirador estava assistindo à reunião da igreja horas antes de abrir fogo contra eles. As autoridades federais investigam o caso como crime de ódio. 

Crime:  FBI identifica suspeito de matar nove em igreja voltada à comunidade negra

Mais cedo, a polícia dos EUA havia divulgado o nome do jovem após ter acesso as imagens do circuito de segurança da igreja. A polícia já estava à procura de mais informações que levassem ao paradeiro de Roof.

A foto dele em uma rede social mostra o jovem usando uma jaqueta com o que parecem ser as bandeiras da época do apartheid na África do Sul e na vizinha Rodésia, uma ex-colônia britânica que foi governado por uma minoria branca até se tornar independente em 1980 e mudar seu nome para Zimbábue.

Seis mulheres e três homens foram mortos, disse Mullen. Três sobreviveram, de acordo com o chefe de polícia Greg Mullen. Mullen não deu outros detalhes sobre as vítimas. O policial diz acreditar que o ataque à igreja Emanuel foi um crime de ódio.

Hoje:  Polícia mostra foto de suspeito por mortes em igreja da comunidade negra

Antes de abrir fogo contra membros de uma igreja voltada à comunidade negra na Carolina do Norte, Roof teria se levantado e dito que estava lá "para atirar em negro", disseram testemunhas à CNN.

*Com BBC, CNN e AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.