Tamanho do texto

Acidente ocorreu no Alton Towers, Reino Unido, no início do mês; Vicky Balch, de 20 anos, pensou que morreria no local

Uma jovem que sobreviveu a um acidente em uma montanha-russa de um parque de diversão na Inglaterra afirmou pensar que iria morrer. 

Março:  Montanha-russa quebra e deixa passageiros presos a 50 metros de altura

Em entrevista à BBC, Vicky Balch contou que estava sentada na primeira fila quando carro no qual estava colidiu com outro; ela ainda pode perder uma das pernas
Reprodução/BBC
Em entrevista à BBC, Vicky Balch contou que estava sentada na primeira fila quando carro no qual estava colidiu com outro; ela ainda pode perder uma das pernas

Vicky Balch, de 20 anos, foi uma das cinco pessoas a ficar gravemente ferida após uma colisão entre dois carros do brinquedo The Smiler no parque temático Alton Towers, no oeste do país, no último dia 2 de junho. 

Falando pela primeira vez sobre o episódio, ela afirmou à BBC que "seus únicos pensamentos" enquanto esperava pelo resgate ─ que demorou quatro horas e meia ─ era de que não sobreviveria. 

2014:  Carrinho de montanha-russa trava e deixa 24 pessoas presas em parque dos EUA

O advogado da jovem, Paul Paxton, acrescentou que ela ainda pode perder uma das pernas. Outra vítima, Leah Washington, de 17 anos, teve sua perna amputada acima do joelho após o acidente.

Vicky estava sentada na primeira fila junto com Leah e outros dois homens, Joe Pugh e Daniel Thorpe, quando o carro em que estavam, colidiu com um vagão vazio. 

A batida deixou os quatro ocupantes e outras 12 pessoas presas a uma altura de 7,6 metros acima do chão. Eles foram retirados do brinquedo por bombeiros por meio de uma plataforma hidráulica. 

Após o acidente, Vicky foi levada a um hospital com ferimentos graves na perna, onde foi submetida a uma cirurgia. Ela permanece internada. 

"Tudo pareceu acontecer em câmera lenta. Nós batemos em outro carro em frente ao nosso. Senti as barras esmagando meus joelhos, fomos para trás e batemos novamente", afirmou Vicky. 

"Eu desmaiei. Só acordei quando ouvi Dan gritando meu nome. Todo mundo estava gritando e eu sentia uma dor excruciante. Olhei para baixo e vi sangue por todo o lado. As barras de proteção haviam esmagado meu joelho direito". 

"A única coisa que passava pela minha cabeça por aquelas horas e horas em que ficamos presos era que todos nós iríamos morrer. Se eu sobrevivesse, nunca poderia andar de novo, tinha certeza disso". 

"Pensei que aquilo tudo nunca ia terminar. Eu só queria morrer", acrescentou ela. 

Leah Washington, Joe Pugh e Daniel Thorpe estavam na primeira fila junto com Vicky Balch
Reprodução/BBC
Leah Washington, Joe Pugh e Daniel Thorpe estavam na primeira fila junto com Vicky Balch

Leah, de 17 anos, também foi hospitalizada, mas inicialmente com uma fratura na mão. Seu namorado, Pugh, de 18 anos, fraturou o joelho, enquanto Thorpe, de 27 anos, teve o pulmão perfurado e uma perna fraturada. 

Uma quinta vítima, Chandaben Chauhan, de 49 anos, foi hospitalizada com hemorragia interna. 

Vídeo

"Vicky teve ferimentos graves na perna e acredito que seja justo dizer que ela está lutando...para sobreviver, com uma das pernas, para evitar a amputação. Ela tem tempos difíceis pela frente...ela está lutando com todas as forças", disse à BBC Paul Paxton, advogado da jovem.

Imagens de emissoras de TV mostraram os passageiros presos na montanha-russa aguardando para serem resgatados após o acidente.

Segundo Paxton, que também representa Leah, Pugh e outros cinco passageiros, os pais da jovem ainda têm dificuldades de assistir às imagens. Ele disse que o pai de Leah reconheceu a filha na TV por causa da roupa.

"O pai de Leah estava ciente de que sua filha estava presa no brinquedo", afirmou Paxton. "O único conforto que ele tinha, se podemos falar dessa forma, era que não estava claro naquele momento a gravidade dos ferimentos dela".

Segundo Paxton, apesar da amputação, Leah está se recuperando bem no hospital. 

"Ela está acordada, em uma cadeira de rodas e passeia pelo hospital", disse ele. "Infelizmente, ela terá de fazer fisioterapia para reaprender a andar". 

A empresa Merlin Entertainment, dona do parque de diversão, afirmou ter contatado todos os feridos e acrescentou que todos os 16 ocupantes da montanha-russa no momento da colisão serão indenizados. Segundo a companhia, o acidente foi o primeiro de sua história.

Para Paxton, a indenização aos feridos com maior gravidade pode chegar a "milhões de libras". 

"Eles terão de ser assistidos pelo resto de suas vidas. Não estamos falando de algo de curto prazo". Autoridades britânicas iniciaram uma investigação para apurar as causas do acidente.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.