Tamanho do texto

Antes disso, ex-líder havia sido condenado à perpétua por crimes como planejamento de ataques durante revolta de 2011

Um tribunal egípcio confirmou nesta terça-feira (16) a condenação à morte do ex-presidente Mohamed Morsi, horas depois de o condenar, em outro processo, à prisão perpétua.

Mais cedo:  Ex-presidente egípcio é condenado à prisão perpétua por espionagem

Mohammed Morsi, candidato da Irmandade Muçulmana, durante campanha política no Cairo, Egito (2012)
AP
Mohammed Morsi, candidato da Irmandade Muçulmana, durante campanha política no Cairo, Egito (2012)

Morsi, eleito em 2012 após o afastamento de Hosni Mubarak e deposto pelo Exército em 2013, teve hoje confirmada a condenação à morte por um tribunal pelos crimes de fuga da prisão e planejamento de ataques durante a revolta de 2011.

Em outro processo, cuja sentença foi divulgada horas antes e que é ainda passível de recurso, o mesmo tribunal condenou Morsi à prisão perpétua por espionagem.

O ex-presidente, o primeiro eleito democraticamente no país, já havia sido condenado em março a 20 anos de prisão por repressão violenta de manifestações no Palácio Presidencial em dezembro de 2012.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.