Tamanho do texto

Primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, rebate ministro francês e diz que Itália tem 'plano B' para crise imigratória

Criança caminha em direção ao centro de imigrantes em Roma
AP
Criança caminha em direção ao centro de imigrantes em Roma

O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, rebateu nesta segunda-feira (15) a entrevista do ministro francês do Interior, Bernard Cazeneuve, e disse que seu país tem um "plano B" para a crise imigratória.

"A União Europeia está em uma encruzilhada. Ou atua como uma comunidade e se encarrega de resolver o problema todos juntos, e esse é o plano A, ou não se encontram soluções boas e nós faremos sozinhos. Esse é o plano B: a Itália enfrentará o problema como grande nação que é", disse Renzi durante uma entrevista coletiva.

França:  França fecha fronteira e esquenta crise na União Europeia

Para o político, caso a Itália precise resolver a questão sozinha, isso será "uma derrota para a Europa". Citando Cazeneuve, indiretamente, Renzi destacou que "o plano A é enfrentar todos juntos, mas é evidente que a força muscular de alguns ministros de países amigos vão na direção oposta".

Imigrantes na Itália:

Roma cria abrigo temporário para imigrantes
Quase 1,3 mil dos 6,7 mil imigrantes socorridos em alto mar chegam à Itália
Papa pede a presidente da Itália ajuda a imigrantes; 950 morreram no mar em 2015

O italiano relembrou a formação histórica do continente, dizendo que "se a Europa quiser ser uma comunidade de pessoas como sonhamos e construímos, precisa resolver conjuntamente o problema dramático" da imigração. Ele ainda lembrou que a questão é complexa e que "nenhum egoísmo nacional pode fazer com que nós fechemos nossos olhos".

Mais cedo, Cazeneuve afirmou que a Itália "precisava assumir suas responsabilidades" com o problema e que não poderia enviar imigrantes para a França. Neste final de semana, o governo de Paris fechou sua fronteira com a cidade italiana de Ventimiglia, o que causou protestos de centenas de imigrantes.

Veja imagens de naufrágio de imigrantes no Mediterrâneo:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.