Tamanho do texto

Entidade de direitos humanos diz que número pode aumentar, já que há desaparecidos; há relatos conflitantes sobre a ação

Os ataques aéreos do governo da Síria sobre uma aldeia no noroeste do país deixou ao menos 49 mortos e vários sobreviventes gritando em agonia enquanto eram tirados dos escombros, de acordo com ativistas e vídeos de rescaldo.

Maio:  Bombardeio mata 14 pessoas na Síria

Migrante sírio dorme sob plástico para se esconder da chuva enquanto outros compatriotas observam em matagal a nordeste de Skopje, Macedônia (4/06)
AP
Migrante sírio dorme sob plástico para se esconder da chuva enquanto outros compatriotas observam em matagal a nordeste de Skopje, Macedônia (4/06)

Já os Comitês de Coordenação Local afirmam que dois ataques aéreos sobre a aldeia de Janoudiyeh, na província de Idlib, deixou 60 mortos e outros vários feridos.

Cenário:  Trauma provoca distúrbios mentais em cerca de 8 milhões de refugiados

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos, cuja base fica na Grã-Bretanha, informou que o ataque aéreo deixou 49 mortos, incluindo seis crianças. A entidade aponta que o número de mortos pode aumentar, já que há desaparecidos. Relatos conflitantes sobre a ação surgem na sequência desses eventos caóticos. 

O Observatório informa que o ataque aéreo atingiu uma praça pública em Janoudiyeh, perto da cidade de Jisr al-Shughour, que foi capturada por rebeldes do Estado Islâmico em abril. Ele disse que a vila tornou-se o lar de muitos deslocados de áreas próximas.

Um vídeo enviado para a Internet por ativistas mostra uma área cheia de fumaça, com pessoas correndo, passado por carros parcialmente destruídos e corpos espalhados pela rua. Mulheres gritavam enquanto homens puxavam corpos apressadamente e ajudavam a enviar os feridos para uma ambulância.

"Meu filho foi morto!" um homem gritou. "Precisamos de carros!" outro homem gritou, enquanto um terceiro, coberto de sangue, sentou-se sobre os escombros.

Outro vídeo amador mostrou cadáveres alinhados em um assoalho. Ativistas pediram às pessoas que reconheçam os corpos para informar as autoridades locais. Um corpo coberto com um cobertor tinha um papel onde se lia "mulher desconhecida". A princípio, os vídeos parecem genuínos e corresponderam a outros relatórios verificados pela AP.

Ativistas dizem que milhares de pessoas foram mortas em ataques aéreos do governo desde o conflito da Síria começou, em março de 2011. A guerra já matou mais de 220 mil.

*Com AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.