Tamanho do texto

Obama e Merkel tiveram uma conversa particular antes da cúpula, que acontece na região da Baviera, na Alemanha

O presidente norte-americano, Barack Obama, e a chanceler alemã, Angela Merkel, reafirmaram hoje (7) que as sanções do Ocidente à Rússia devem continuar até os russos respeitarem o acordo de cessar-fogo e a soberania da Ucrânia.

“Os dois líderes discutiram a crise em curso na Ucrânia e concordaram que a duração das sanções dever ser claramente relacionada com a plena implementação, pela Rússia, dos acordos de Minsk [capital da Bielorrússia] e o respeito à soberania da Ucrânia”, informou a Casa Branca em comunicado divulgado durante a cúpula do G7, que ocorre hoje (7) na região da Baviera, na Alemanha.

Manifestantes se reúnem antes da cúpula do G7 na Alemanha
AP
Manifestantes se reúnem antes da cúpula do G7 na Alemanha

Obama e Merkel tiveram uma conversa particular antes da cúpula. O presidente norte-americano, mais cedo, pediu aos seus colegas líderes presentes no G7 (grupo que reúne a Alemanha, os Estados Unidos, a França, o Reino Unido, o Japão, a Itália e o Canadá) para se manifestarem, em conjunto, contra “a agressão russa na Ucrânia”.

Leia mais:

Manifestantes se reúnem antes da cúpula do G7 na Alemanha

G7 vai discutir extensão de sanções contra Rússia, diz autoridade da UE

Autoridades financeiras do G7 reúnem-se para resolver problema de crescimento

A União Europeia e os Estados Unidos, que apoiaram os acordos de paz de Minsk, assinados em 12 de fevereiro (com participação também da Rússia), expressaram de forma unânime a sua preocupação com a retomada dos combates nos últimos dias. Moscou, por seu lado, indicou que o processo de paz corre o perigo de “ser quebrado”.

As sanções impostas pela União Europeia a Moscou, que atingiram setores inteiros da economia russa, incluindo os de bancos, defesa e petróleo, estavam previstas para terminar inicialmente em julho.

Os acordos de Minsk preveem medidas progressivas até o fim do ano, para pôr fim ao conflito entre separatistas pró-Rússia e o governo de Kiev no Leste da Ucrânia, que já fez mais de 6,4 mil vítimas, em pouco mais de um ano.

A Rússia é acusada, pelos países ocidentais, de estar envolvida no conflito ucraniano, apoiando os rebeldes, mas o governo russo nega.

Na reunião bilateral, Obama e Merkel também discutiram o possível papel da Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP, na sigla em inglês), acordo de livre comércio que está sendo negociado entre europeus e norte-americanos para promover "o crescimento e o emprego em ambos os lados do Atlântico".

Os dois líderes também ressaltaram a importância de trabalharem juntos para chegar a um acordo global sobre o clima, em dezembro deste ano, em Paris.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.