Tamanho do texto

Diretor de entidade contra pedofilia acusa cardeal George Pell; inglês foi nomeado pelo papa Francisco para ser um dos membros da Pontifícia Comissão para a Proteção de Menores

O diretor-executivo de uma das entidades britânicas que lutam contra a pedofilia, Peter Saunders, criou uma crise no Vaticano após aparecer em um programa de televisão e acusar o ex-bispo de Melbourne e Sidney de "sociopata".

O cardeal George Pell foi chamado de
AP Photo/Rick Rycroft
O cardeal George Pell foi chamado de "sujeito perigoso e quase um sociopata" por Peter Saunders, diretor-executivo de uma entidade que luta contra pedofilia

Durante o programa "60 minutos", do "Canal 9", Saunders afirmou que o atual prefeito dos Assuntos Econômicos da Santa Sé, cardeal George Pell, é um "sujeito perigoso e quase um sociopata", que acobertou padres que cometeram abusos sexuais. Para o inglês, o ex-bispo tem "responsabilidade moral" para enfrentar a Comissão Nacional que investiga sobre os abusos da instituição contra os menores.

"Pessoalmente, acho que sua posição é insustentável porque há um catálogo de negações. Ele repetidamente denegriu as pessoas e agiu com insensibilidade, dureza de coração, de uma maneira quase sociopata", declarou.

Leia mais:

Papa ordena primeira prisão de acusado de pedofilia dentro do Vaticano
Em procissão no Vaticano, Igreja católica pede perdão por abusos
Bispo que omitiu pedofilia de sacerdote renuncia ao cargo nos EUA

O problema para o Vaticano não é só o fato de Saunders acusar Pell, mas também porque o inglês foi nomeado pelo papa Francisco, em dezembro do ano passado, para ser um dos 17 membros da Pontifícia Comissão para a Proteção de Menores, que investiga casos de pedofilia e abusos sexuais na Igreja.

Um porta-voz do cardeal se manifestou e disse que o ex-bispo sempre lutou contra os crimes e que vai processar o britânico por suas declarações. "Desde seus primeiros atos como arcebispo, o cardeal Pell assumiu uma forte posição contra os abusos sexuais de menores e instituiu procedimentos para permitir que as denúncias sejam levadas adiante e sejam investigadas de maneira independente", informa a nota.

O porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, também emitiu um comunicado, dizendo quer as declarações de Saunders têm "caráter pessoal" e "não foram ditas em nome da Comissão, que não tem a missão de pronunciar juízos sobre casos específicos".

Para Lombardi, "George Pell sempre respondeu rapidamente às autoridades australianas competentes" e suas declarações públicas dos últimos dias são "confiáveis e merecem respeito e atenção".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.