Tamanho do texto

Pai viajou com a filha após perder a sua guarda em 2007; polícia mexicana chegou a ‘recuperar’ jovem errada e enviar para os EUA

Mãe e filha puderam se rever após oito anos de altos e baixos
AP
Mãe e filha puderam se rever após oito anos de altos e baixos

Depois de uma batalha judicial e uma trapalhada policial de fenomenais proporções - que só foi solucionada com testes de DNA -, uma adolescente levada para o México pelo pai desembarcou nos Estados Unidos para viver com a mãe.

Alondra Díaz García, 13, viverá com a mãe, Dorotea, em um subúrbio de Houston, Texas. "Quero aprender muitas coisas sobre os Estados Unidos, sobre minha família", disse ela a jornalistas.

A jovem nasceu nos EUA mas foi levada para o México pelo pai, Reynaldo Díaz, em 2007, sem o consentimento da mãe depois que ele perdeu na Justiça a batalha pela guarda da filha.

A adolescente disse que estava "feliz com meu pai, mas ao mesmo tempo achava que alguma coisa estava faltando".

O paradeiro dela permaneceu desconhecido todos esses anos, e o caso teve altos e baixos.

Leia também:  Briga por guarda de filho vira assunto entre Lula e Obama

Em uma trapalhada fenomenal, autoridades mexicanas removeram outra adolescente – também chamada Alondra – de uma sala de aula em Guanajuato e a enviaram a Houston para viver com a Dorotéa.

Um vídeo que mostrava Alondra Luna Nuñez confusa e em desespero ao ser escoltada pela polícia mexicana causou ultraje ao circular nas redes sociais.

A Justiça do México havia rejeitado o pedido da família da 'outra Alondra' para confirmar por testes de DNA que ela era a pessoa errada.

O teste foi feito em Houston e a menina foi reenviada ao México uma semana depois.

A Comissão Nacional de Direitos Humanos do México anunciou a abertura de uma investigação sobre o caso.

'Feliz'

Foi neste momento que, segundo parentes e amigos, o pai da Alondra correta concordou em enviar a filha para viver com a mãe nos EUA e encerrar a disputa.

Na segunda-feira, a verdadeira Alondra Díaz García se apresentou à Justiça do Estado de Michoacán. Um teste de DNA confirmou sua identidade.

Ao rever a filha depois de oito anos, a Dorotéa García disse que estava "muito feliz".

"Era o que eu desejava há tantos anos. Finalmente posso tocá-la", disse a mãe. "Eu a amo, e estou muito feliz de tê-la aqui."

Denúncias de sequestro de jovens por parte de um dos pais são frequentes no México. Organizações como a Associação Mexicana de Crianças Roubadas e Desaparecidas reconhecem que pelo menos metade dos casos que estão registrados em seus arquivos são, na verdade, menores que foram levados pelo pai ou pela mãe.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.