Tamanho do texto

Restrição funcionava das 22h às 5h e foi importo após cidade ter sido palco de protestos violentas após morte de negro

A prefeita de Baltimore, Stephanie Rawlings-Blake, suspendeu hoje (3) o toque de recolher obrigatório que tinha sido decretado por causa das manifestações após a morte de um homem sob custódia policial. “Suspendi, com efeitos imediatos, a ordem que instituía o recolher obrigatório em toda a cidade”, disse, por meio da sua conta na rede social Twitter.

Stephanie Rawlings-Blake, prefeita de Baltimore usou conta do Twitter para comunicar decisão
AP (01.05.15)
Stephanie Rawlings-Blake, prefeita de Baltimore usou conta do Twitter para comunicar decisão

O toque de recolher obrigatório, que ia das 22h às 5h, foi imposto no dia 28 de abril, depois da cidade do leste dos Estados Unidos ter sido palco de cenas violentas, como pilhagens de lojas, destruição de vitrines e carros da polícia incendiados. Ontem (2), os protestos foram pacíficos e havia um número crescente de membros da comunidade e comerciantes locais que pediam a suspensão do decreto.

Leia também:  Policiais envolvidos na morte de jovem negro em Baltimore, EUA, serão julgados

Semana passada:  Protesto em Baltimore tem saques e confronto com a polícia

Ontem:  Baltimore tem novos protestos contra morte de homem negro por policiais


A decisão surge dois dias depois da procuradora de Baltimore, Marilyn Mosby, ter anunciado que a morte de Freddie Gray é um “homicídio” e que seis policiais serão acusados pelo crime. Suspensos de funções, os policiais são acusados de homicídio culposo e assassinato em segundo grau.

O presidente do país, Barack Obama, disse que é “absolutamente vital” que a verdade sobre a morte do homem negro fosse revelada. Freddie Gray foi detido a 12 de abril quando, ao avistar agentes da polícia, começou a correr. Ao ser detido, o jovem foi transportado em uma viatura, onde teria sofrido uma lesão cervical, que acabou por determinar a sua morte uma semana depois. Seis agentes da polícia foram suspensos.

Gray transformou-se em um novo símbolo da violência policial e da atitude de desconfiança que existe entre as forças policiais e as minorias nos Estados Unidos, como já tinha acontecido com o jovem negro Michael Brown (morto a tiro por um polícial em Ferguson, Missouri) no verão de 2014.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.