Tamanho do texto

ONU e Ongs dizem que entrada de doações é barrada; governo nega, mas diz que produtos têm que ser inspecionados

O governo do Nepal está sendo acusado de bloquer doações da iniciativa privda para áreas distantes atingidas pelo terremoto, que deixou mais de 6, 9 mil mortos e 15 mil feridos. Outras centenas de milhares ficaram desabrigados. 

Leia mais:  Número de mortos no Nepal após terremoto ultrapassa os 6 mil

Vídeo mostra devastação em distrito próximo a epicentro de terremoto no Nepal

Segundo o The Guardian, que cita relatos na imprensa local, centenas de toneladas de suprimentos foram parados na fronteira indiana. Um relatório citou um oficial de alfândega local na fronteira dizendo que ele não tinha ordens para permitir a entrada dos produtos no país. O governo diz que os produtos têm que ser inspencionados. 

O representante da ONU Jamie McGoldrick advertiu que o governo para afrouxar as restrições aduaneiras para lidar com o crescente fluxo de material de emergência.

"Eles não deveriam estar usando metodologia costumes em tempos de paz", disse ele.

Veja fotos do Nepal depois do terremoto

Sharma disse que as acusações eram infundadas. Neste sábado, Suman Prasad Sharma, o secretário de Finanças do Nepal, negou as acusações feitas por ONGs e altos funcionários internacionais de que o governo esteja bloqueando as doações internacionais no aeroporto e cobrando impostos de importação sobre remessas de ajuda humanitária. O governo do Nepal suspendeu o imposto de importação sobre lonas e tendas. 

"Nós não enviamos qualquer coisa de volta e não há nenhuma obrigação de pagar em qualquer coisa. Estes encargos são completamente irresponsáveis e os refuto", afirmou Sharma.

No entanto, diz a publicação, é cada vez mais claro que, como parte de um esforço mais amplo para centralizar o esforço de socorro, a polícia está parando caminhões carregados com suprimentos. 


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.