Tamanho do texto

Voto está sendo realizado sob tensão militar e crítica dos EUA e da UE. Resultado deve ser divulgado nesta segunda-feira (17)

A região da Crimeia votou neste domingo (16) sobre a possibilidade de exigir uma maior autonomia da Ucrânia ou se separar do país e se anexar à Rússia, em um referendo que foi condenado como ilegal pelos Estados Unidos e países europeus.

Ontem: Rússia veta resolução da ONU contra referendo na Crimeia

Uma mulher pega sua cédula de votação sobre referendo na Crimeia em Simferopol, Ucrânia
AP
Uma mulher pega sua cédula de votação sobre referendo na Crimeia em Simferopol, Ucrânia


Após reunião de 6 horas: EUA e Rússia fracassam em chegar a acordo sobre Crimeia

A votação começou às 8h (horário local; 3h de Brasília) e deve ser encerrada 12 horas depois. Com pelo menos 1,5 milhão de pessoas aptas a votar, os resultados oficiais devem ser conhecidos nesta segunda-feira (17).

Paralelamente a questão do status futuro da província, o voto irá influenciar no futuro das relações internacionais da região e além - tendo colocado os Estados Unidos e a Rússia em uma rota de colisão jamais vista desde o fim da Guerra Fria.

Os Estados Unidos, que definiram a votação como ilegal, disseram esperar que a península do Mar Negro, com população majoritariamente russa, seja favorável a anexação à Rússia. Moscou tem apoiado fortemente o referendo.

Dando início a votação em uma declaração pré-gravada, o primeiro-ministro da Criméia, Sergey Aksyonov, pediu aos moradores para dar seu voto "independente do nacionalismo e da desintegração." Aksyonov reconheceu que os "olhos do mundo inteiro estão sobre nós hoje" e pediu aos crimeios para mostrar a sua aspiração de "viver livre do mundo, com relações amigáveis ​​com todos". Em assembleia de votos em Perevalnoye, perto de uma base militar, fluxo constante de eleitores depositou seu voto, apesar do clima de inverno. 

Estridentes melodias de dança e música folclórica russa acolheram os eleitores para o local de votação, em um eco dos tempos soviéticos. O que parecia ser um grupo de soldados russos - sem identificar insígnia, mas com placas russas em seus veículos - estava nas proximidades.

Svetlana Kalisetskaya, chefe da comissão eleitoral, disse à CNN que "em comparação com outras eleições, esta é muito mais animada e amigável". Grigory Illarionovich, um eleitor, disse à CNN: "Estou para restaurar a Criméia à Rússia. Retomando o que Khrushchev tirou".

A península fazia parte da Rússia até o líder soviético Nikita Khrushchev passar o local à Ucrânia em 1954. À época, a Ucrânia ainda fazia parte da União Soviética. A votação ocorre algumas semanas após as forças lideradas pelos russos assumirem o controle da Crimeia, uma região predominantemente russa. Seus moradores dizem temer o governo ucraniano, que assumiu quando o presidente pró-Rússia Viktor Yanukovych foi deposto no mês passado, possa oprimi-los.

No ultimo sábado (13), autoridades ucranianas disseram que as forças armadas da Rússia, amparados por helicópteros e veículos blindados, tinham avançado cerca de 10 km ao longo da fronteira da Criméia para outra região da Ucrânia, onde assumiu o controle de uma aldeia que tem um centro de distribuição de gás natural.

Dependendo do resultado do referendo, a Rússia enfrentará a perspectiva de sanções de países ocidentais, mas Moscou tem resistido vigorosamente aos apelos para se retirar da Crimeia. Desde que Yanukovych voou para a Rússia, a Crimeia está sob o controle de milícias locais, bem como as tropas fortemente armadas sob o comando aparente de Moscou.

Confira imagens do referendo na galeria de fotos

Entenda: Quais são as motivações da Rússia na crise da Ucrânia?

Autoridades da Crimeia pró-Rússia dizem que, caso os soldados ucranianos que ocupam suas guarnições não se renderem após a votação de domingo, eles serão considerados "ilegais". Mas segundo o ministro da Defesa da Ucrânia, Igor Tenyuk, em uma entrevista publicada neste domingo pela agência de notícias Interfax, "esta é a nossa terra e nós não vamos a lugar nenhum."

Em Sevastopol, mais de 70 pessoas surgiram nos primeiros 15 minutos de votação. "Hoje é um feriado", disse um deles, Vera Sverkunova, de 66 anos. Questionada sobre como votou, ela respondeu com uma canção de guerra patriótica. “Eu quero ir para casa, para a Rússia. Já faz tanto tempo que vi minha mãe.”

O referendo é um “show de palhaços, um circo”, disse o líder da comunidade crimeia, Refat Chubarov, à uma estação de TV da Crimeia neste domingo. “Isso é uma tragédia, um governo ilegítimo, com forças armadas de outro país”.

Na ONU, a Rússia vetou no Conselho de Segurança a resolução que declararia o referendo ilegal, e a China, seu aliado, se abstive, em um sinal de isolamento de Moscou sobre o assunto. Os defensores da resolução, pedida pelos EUA, sabiam de antemão que a Rússia iria usar seu poder de veto no sábado.

Mas eles colocaram a resolução em votação para mostrar a força da oposição no Conselho de Segurança da ONU de 15 membros. A votação final teve 13 membros a favor, a abstenção da China e a Rússia, membro permanente do conselho, lançando o veto. 

O resultado do referendo deve ser conhecido nesta segunda-feira (17).


*Com AP, BBC e CNN

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.