Tamanho do texto

"Vou aos EUA para discussões de alto escalão sobre formas de resolver a situação", disse o primeiro-ministro Arseny Yatseniuk

O primeiro-ministro da Ucrânia, Arseny Yatseniuk, afirmou neste domingo (09) que viajará para os Estados Unidos nesta semana para discutir a crise iniciada pela intervenção russa na península da Crimeia, no sul do país.

Tensão: Qualquer passo para anexar Crimeia encerraria diplomacia entre EUA e Rússia

Mais:  Avião ucraniano de patrulha é alvejado perto da Crimeia

"Eu vou aos EUA para discussões de alto escalão sobre formas de resolver a situação envolvendo nossas relações bilaterais e multilaterais", disse Yatseniuk, no início de uma reunião do governo, na capital da Ucrânia, Kiev. Ele não informou de imediato datas ou detalhes sobre a visita.

Neste sábado, o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, disse em telefonema ao chanceler russo, Sergei Lavrov, que qualquer passo da Rússia para anexar a Crimeia fecharia as portas para a diplomacia, afirmou uma autoridade do Departamento de Estado dos Estados Unidos.

"Ele deixou claro que a continuidade da intensificação militar e da provocação na Crimeia ou em qualquer outra parte da Ucrânia, junto com passos para anexar a Crimeia à Rússia, fecharia qualquer espaço disponível para a diplomacia, e ele apelou pela máxima moderação", disse a autoridade.

Lado russo: Grande comboio russo se dirige para base perto de capital da Crimeia

Ainda hoje, um avião de controle de fronteira da Ucrânia foi alvejado enquanto sobrevoava nesta sábado uma área perto da fronteira administrativa com a região da Crimeia, que está sob controle da Rússia, informou a guarda de fronteira ucraniana. A aeronave tinha três tripulantes a bordo em uma missão de observação, e ninguém ficou ferido no ataque.

Mais cedo, tiros de alerta foram disparados quando uma missão militar de observação desarmada da OSCE (Organização para a Segurança e Cooperação na Europa) foi repelida ao tentar atravessar para entrar na região ucraniana da Crimeia, informou o órgão de segurança europeu. Não houve feridos.

* Com informações da Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.