Tamanho do texto

Líder da Igreja Católica subestima a ideia de que é responsável por grandes reformas na religião e reforça o veto à união gay

O papa Francisco minimizou a ideia de que é um "super-homem" e promoverá amplas reformas na Igreja Católica. Ele reforçou ainda que a proibição aos contraceptivos e a oposição ao casamento gay vão continuar.

Abusos:  Relatório da ONU é distorcido, injusto e tendencioso, diz Vaticano

Papa Francisco cumprimenta multidão enquanto vai à sua audiência geral semanal na Praça de São Pedro, no Vaticano
AP
Papa Francisco cumprimenta multidão enquanto vai à sua audiência geral semanal na Praça de São Pedro, no Vaticano


Brasil: Dilma pede ao papa Francisco mensagem de paz para a Copa no Brasil

Em entrevista ao jornal Corriere della Sera publicada nesta quarta-feira (5), o papa disse ainda que nenhuma instituição agiu com mais "transparência e responsabilidade" do que a Igreja para proteger as crianças na esteira dos escândalos de abusos sexuais.

Desde a eleição como papa há quase um ano, Francisco promoveu a ideia de uma Igreja mais voltada para as necessidades dos pobres, o que lhe rendeu enorme popularidade e aumentou as expectativas de que poderia suavizar regras em temas como contracepção, divórcio e relacionamento gay.

Perguntado sobre o que acha de seu status de celebridade, Francisco disse que não gosta da "mitologia" dele como um homem que pode cumprir todas as expectativas.

"Retratar o papa como uma espécie de super-homem, uma espécie de astro, parece ofensivo para mim. O papa é um homem que ri, chora, dorme tranquilamente e tem amigos como todo mundo, uma pessoa normal", disse.

Francisco deixou claro que não antevê mudanças na posição da Igreja sobre a proibição ao controle artificial de natalidade, estabelecido na encíclica Humanae Vitae do papa Paulo 6º, em 1968. Um sínodo de bispos a ser realizado em outubro deve discutir maneiras de aplicar e explicar melhor o tema, disse o papa, que chamou a encíclica de "profética e corajosa".

"Não é uma questão de mudar a doutrina, mas aprofundar, de modo que a preocupação pastoral leve em conta situações e o que pode ser feito para as pessoas", disse o papa, sem elaborar.

Uma pesquisa internacional com católicos no ano passado mostrou uma profunda divisão entre autoridades da Igreja e dos fiéis sobre questões de moralidade sexual. No mês passado, Francisco pediu aos cardeais que fossem "inteligentes, corajosos e amorosos" no debate sobre temas familiares. As palavras do papa na entrevista parecem ser um alerta aos liberais para que diminuam as expectativas.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.