Tamanho do texto

Atentado foi cometido por uma jovem de 20 anos que dirigia um carro nas proximidades do aeroporto. Vítimas trabalhavam na companhia de transporte AFC

EFE

Pelo menos nove estrangeiros e três afegãos morreram nesta terça-feira vítimas de um ataque suicida em represália ao vídeo que parodia o profeta Maomé perpetrado contra um veículo de uma empresa nas proximidades do aeroporto de Cabul.

O ataque, cometido por uma mulher que dirigia uma caminhonete, ocorreu por volta das 6h45 local (23h15 Brasília). Todas as vítimas são civis, segundo afirmou à Agência Efe o chefe de Investigação Criminal da Polícia de Cabul, Mohammed Zahir.

Leia também: Protestos contra filme anti-Islã provocam confrontos e morte

Em comunicado emitido horas depois, a polícia informou que nove estrangeiros e três civis afegãos morreram. Além disso, dois membros das forças de segurança do país ficaram feridos.

De acordo com a agência afegã "AIP", os estrangeiros trabalhavam na companhia de transporte AFC. O ataque foi reivindicado por um porta-voz do grupo insurgente Hezb-e-Islami Gulbudin, um movimento fundamentalista próximo ao talibã e que já cometeu vários atentados em Cabul no passado.

Segundo disse à Efe o porta-voz do grupo, Zubair Sediqui, o ataque foi cometido por uma jovem de 20 anos "como vingança pelo filme anti-islâmico feito por um cineasta americano". Sediqui afirmou que 16 pessoas morreram na ação.

Ataque: Bombardeio da Otan mata ao menos cinco civis no Afeganistão

Os talibãs afegãos incentivaram a "vingança" contra o vídeo e o governo do país bloqueou o YouTube para evitar a divulgação do vídeo. Os protestos no Afeganistão foram menores do que no mundo árabe.

Cabul tem um aparato de segurança melhor do que outras cidades afegãs, mas é um alvo recorrente da insurgência talibã e de outros grupos jihadistas, que têm o objetivo de golpear as tropas internacionais no país e as instituições do governo afegão.

O último ataque suicida ocorreu em 8 de setembro e matou cinco adolescentes na zona diplomática de Cabul. Os talibãs lutam para derrubar o governo afegão e forçar a saída do país das tropas internacionais, e com isso instaurar um regime fundamentalista islâmico, que governou o país entre 1996 a 2001, ano da invasão dos EUA.