Tamanho do texto

Michelle Obama pede em tom pessoal que americanos confiem mais quatro anos a marido; prefeito de San Antonio se torna o 1º latino a fazer discurso-chave em Convenção Democrata

Os democratas lançaram Barack Obama em seu caminho incerto para a reeleição durante o primeiro dia da Convenção Nacional do partido nesta terça-feira em Charlotte, Carolina do Norte, retratando o presidente dos EUA como alguém que entende as dificuldades dos americanos comuns, enquanto apresentavam seu rival Mitt Romney como uma pessoa da classe privilegiada e sem contato com a realidade.

Leia também:  "Barack conhece o sonho americano porque o viveu", diz Michelle Obama

Michelle Obama faz discurso emotivo na Convenção Democrata em Charlotte, na Carolina do Norte
AP
Michelle Obama faz discurso emotivo na Convenção Democrata em Charlotte, na Carolina do Norte

O principal discurso da noite foi o da primeira-dama Michelle Obama, que fez um pronunciamento cheio de frases afetuosas em relação ao líder americano. Com relatos de como Obama é um pai e marido amoroso, a primeira-dama afirmou que o atual presidente “é o homem que podemos confiar” para reviver a economia dos EUA, que atualmente sofre com alto desemprego, fraco crescimento e temores de volta da recessão.

Usando um vestido fúcsia e sob ensurdecedores aplausos ao longo de seu pronunciamento perante milhares na Time Warner Cable Arena, Michelle diferenciou seu marido de Mitt Romney sem mencionar o nome do republicano. Ela lembrou a história de vida mais humilde de Obama quando jovem, que dirigia um carro velho e que por um período de sua vida só teve como escolha usar calçados menores do que seu número.

Bastidores: Frutas, vegetais, ovos e guarda-chuvas são proibidos na Convenção Democrata
Disputa: Na Convenção Democrata, Obama tentará provar que merece cadeira presidencial

Relembrando a trajetória iniciada há quatro anos, quando Obama foi eleito o primeiro presidente negro dos EUA, Michelle disse que seu principal trabalho não é o de primeira-dama: “No fim do dia, meu título mais importante é o de mamãe-em-chefe.” A frase em referência a suas filhas Malia e Sasha estimulou uma ovação durante seu discurso, que foi o mais importante do primeiro dia do evento que oficializará Obama como candidato à reeleição para a votação de 6 de novembro.

No horário nobre da TV americana, ela conclamou os eleitores a manter seu marido na Casa Branca, afirmando que ele é um líder que “sabe em primeira mão as dificuldades cotidianas de todos os americanos, os ouve como presidente e tem uma agenda com seus interesses em mente”. Para aqueles que veem como frustradas suas expectativas em relação a um candidato que na campanha de 2008 projetou a ideia de que a mudança imediata era possível, Michelle disse que Obama sempre a lembra que “a mudança é difícil e lenta e nunca acontece de uma vez”.

Na Casa Branca, Obama assiste ao discurso da mulher com as filhas Malia e Sasha
AFP
Na Casa Branca, Obama assiste ao discurso da mulher com as filhas Malia e Sasha

De acordo com uma pesquisa de maio do Gallup, Michelle é vista positivamente por 66% dos americanos, índice igual ao que tinha há dois e superior à popularidade do marido. Muito disso se deve ao fato de Michelle manter-se relativamente longe da política para usar seu papel de primeira-dama em campanhas pela alimentação orgânica (cultivando uma horta na Casa Branca) e contra a obesidade infantil. Em sua defesa das atividades físicas, recentemente foi vista competindo com os apresentadores Ellen DeGeneres e Jimmy Fallon na TV.

Discurso-chave

Michelle foi precedida no palco pelo prefeito de San Antonio (Texas), Julián Castro , o primeiro americano de origem latina a fazer o discurso-chave da Convenção Democrata, em um aceno a eleitores hispânicos cujos votos são essenciais em Estados como Colorado, Nevada e Novo México.

O prefeiro de San Antonio primeiramente lembrou sua infância humilde para pontuar que ele e seu irmão gêmeo Joaquin, um legislador do Texas que deve ser eleito para o Congresso em novembro, devem seu êxito à luta de sua avó mexicana e de sua mãe e às oportunidades encontradas nos EUA.

Castro e o irmão vêm de uma família de baixa renda e tiveram de recorrer a bolsas, créditos estudantis e empréstimos para estudar nas prestigiosas Universidade de Stanford e na Faculdade de Direito de Harvard. “Minha história não é especial. O que é especial são os EUA, que deixam essas histórias acontecerem”, disse sob aplausos.

Ao mesmo tempo, porém, destacou que o país precisa continuar investindo em oportunidades e em educação para crescer e permitir a outras famílias histórias de sucesso. Para tanto, argumentou, os EUA têm de votar em Obama, e não em Romney, que caracterizou como um candidato que quer cortar programas que beneficiam a classe média.

Durante seu discurso, a imagem de sua mãe, Rosie, foi mostrada diversas vezes no telão. Com 65 anos, ela tem um grande papel no fato de os dois filhos terem chegado a cargos oficiais. Ativista dos direitos civis e mãe solteira desde que os gêmeos tinham 8 anos, ela os levava a comícios e frequentemente discutia política com os dois.

Copresidente da campanha de reeleição de Obama e estrela em ascensão no Partido Democrata, Castro, 37 anos, foi reeleito no ano passado para o cargo em San Antonio com 82% dos votos. Atualmente, tem sido alvo de especulações sobre suas ambições políticas, com alguns considerando possível que se torne o próximo governador do Texas ou mesmo tente a candidatura à presidência daqui quatro anos.

Há oito anos, a incumbência do discurso-chave coube ao então senador pelo Estado de Illinois, Barack Obama, que com seu pronunciamento acabou por se projetar nacionalmente e plantar as primeiras sementes para se eleger há quatro anos.

O presidente dos EUA será oficialmente nomeado para disputar um novo mandato na quarta-feira durante discurso do ex-presidente Bill Clinton (1993-2001). Na noite de quinta-feira, o líder americano aceitará a candidatura no Estádio Bank of America, que tem capacidade para quase 74 mil espectadores.

Pesquisas mostram Obama e Romney empatadas para as eleições. O republicano é visto como melhor candidato para melhorar a economia, a principal preocupação da campanha. Mas Obama é considerado mais capaz de se conectar com as preocupações dos americanos de classe média.

* Repórter viaja como bolsista do World Press Institute

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.