Tamanho do texto

Só em Recife, 1,2 mil pessoas de dois a 59 anos de idade participarão dos testes conduzidos pelo Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, a Fiocruz

Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin esteve em Recife para acompanhar o início dos testes na cidade
Edmar Melo 20.10.2016
Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin esteve em Recife para acompanhar o início dos testes na cidade

A cidade de Recife, em Pernambuco, recebeu nesta quinta-feira (20) mais uma fase da terceira e última etapa dos testes da vacina brasileira contra a dengue. O imunizante foi desenvolvido pelo Instituto Butantan, em São Paulo, e poderá ser incluído no calendário de vacinação da rede pública se aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Só em Recife, 1,2 mil pessoas de dois a 59 anos de idade participarão dos testes conduzidos pelo Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, a Fiocruz. A vacina contra dengue do Butantan promete proteger a população contra os quatro tipos do vírus, diferente do imunizante que, atualmente, está disponível para comercialização .

LEIA MAIS:  Vacina da dengue entra para o calendário da Sociedade Brasileira de Pediatria

Além de Recife, Manaus (AM), Boa Vista (RR), Porto Velho (RO), três centros do Estado de São Paulo, Fortaleza (CE), Aracaju (SE), Porto Alegre (RS), Campo Grande (MS) e Cuiabá (MT) também estão recebendo a etapa de testes. Ao todo, 17 mil moradores vão receber o imunizante e serão acompanhados pela equipe médica por um período de cinco anos para verificar a eficácia do produto. Podem participar pessoas saudáveis entre dois e 59 anos, que já tiveram ou não dengue alguma vez.

O estudo

A vacina do Butantan foi desenvolvida  em parceria com os Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos e produzida com vírus vivos geneticamente enfraquecidos. De acordo com o diretor do Instituto Butantan, Jorge Kalil, com os vírus vivos a resposta imunológica tende a ser mais forte.

Do total de voluntários, 2/3 receberão a vacina e 1/3 receberá placebo, uma substância com as mesmas características da vacina, mas sem os vírus, ou seja, sem efeito. A partir do acompanhamento médico será possível verificar se quem tomou a vacina ficou protegido e quem tomou o placebo contraiu a dengue.

Nas etapas anteriores, a vacina contra dengue foi testada em 900 pessoas: 600 na primeira fase de testes clínicos, realizada nos Estados Unidos pelo NIH, e 300 na segunda etapa, feita na cidade de São Paulo em parceria com a Faculdade de Medicina da USP  e com o Instituto Adolfo Lutz.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.