Tamanho do texto

Proporção das crianças com perda auditiva relacionada a má-formação por zika é alta em comparação com prevalência do problema na população geral

Além de surdez pela microcefalia, zika também está relacionada a diversas lesões cerebrais, oculares e ortopédicas
Guga Matos/Jc Imagem/Estadão Conteúdo 11.08.2016
Além de surdez pela microcefalia, zika também está relacionada a diversas lesões cerebrais, oculares e ortopédicas

Novo estudo feito em Pernambuco confirma o que especialistas já suspeitavam: a perda auditiva é mais uma sequela do zika vírus em bebês com microcefalia. Das 70 crianças que nasceram com má-formação após a mãe ser infectada com o vírus durante a gravidez , quase 6% apresentaram alterações na audição.

A zika também está relacionada a diversas lesões cerebrais, oculares e ortopédicas. O estudo mais focado em avaliar a surdez em crianças com microcefalia foi feito por cientistas do Hospital Agamenon Magalhães, no Recife, e da Universidade Federal de Pernambuco, e foi publicado pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos.

“O que há de novo no estudo é que todas essas 70 crianças tiveram a infecção por zika realmente confirmada, tanto por critério clínico como por exames laboratoriais. Cinco dos bebês apresentaram infecção congênita por zika e perda auditiva”, disse a primeira autora do artigo, Mariana Leal.

LEIA MAIS:  Fêmea do mosquito Aedes aegypti pode passar zika vírus a ovos e prole

De acordo com a especialista, a proporção das crianças com o problema é alta, em comparação com a prevalência da perda auditiva na população geral – no máximo dois bebês em cada mil nascidos vivos. “Por isso recomendamos que a infecção congênita por zika deve ser incluída entre os fatores de risco para a perda auditiva.”

Cingapura

Autoridades de Cingapura divulgaram na noite desta terça-feira (30) que o número de casos locais de zika chegou a 82. Com a confirmação dos casos na cidade, países vizinhos como Austrália, Taiwan, Indonésia e Coreia do Sul também anunciaram que estão intensificando as medidas de proteção contra o mosquito Aedes aegypti.

Os casos do vírus em Cingapura parecem ser o maior da Ásia na epidemia atual. A ilha tropical é propensa a outras doenças transmitidas por mosquitos. As autoridades de saúde advertiram no início deste ano que Cingapura pode ver um registro de 30 mil casos de dengue em 2016.

LEIA MAIS:  Ex-siamesas que tinham 20% de chance de sobreviver a separação vão à escola

Os países da região recomendaram que mulheres grávidas, com ou sem sintomas, façam testes gratuitos para a zika para prevenção da microcefalia. A Agência Nacional do Meio Ambiente de Cingapura também já direcionou mais de 200 pessoas para a área afetada, onde elas têm pulverizado inseticida e limpado os ralos.

*Com informações do Estadão Conteúdo