Tamanho do texto

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, no mesmo período do ano passado nenhuma morte ocorreu na cidade e apenas 15 pessoas contraíram a doença

Eficácia do uso de máscaras é bastante limitada, uma das melhores formas de se prevenir da H1N1 é tomando a vacina
Marcos Arcoverde/AGE/Estadão Conteúdo
Eficácia do uso de máscaras é bastante limitada, uma das melhores formas de se prevenir da H1N1 é tomando a vacina

A cidade de São Paulo registrou 137 mortes causadas em decorrência da gripe Influenza A H1N1 entre os dias 1º de janeiro e 23 de julho de 2016. No mesmo período do ano passado, não ocorreu nenhuma morte. Em 2015, apenas 15 pessoas contraíram a doença.

LEIA MAIS:  Salva por órgãos artificiais de morte por H1N1, mulher dá à luz bebê saudável

Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (5) pela Secretaria Municipal de Saúde. Segundo a pasta, foram confirmados 4.871 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave, sendo que 1.351 por conta do vírus Influenza – destes, 1.182 do tipo A H1N1 . O aumento em relação ao ano de 2015 chama atenção: foram notificados apenas 733 casos da síndrome no ano passado, 119 confirmados para Influenza e três para o tipo A.

A Secretaria diz que os registros vêm caindo desde abril, quando foi iniciada a campanha de vacinação. O pico ocorreu entre os dias 13 de março e 16 dwe abril, quando foram registrados 77% do total de casos (912) e 73% do total de óbitos (100 mortes)

LEIA MAIS:  Califórnia registra dois casos de microcefalia ligados ao zika vírus

“A vacinação foi efetiva para prevenir óbitos, uma vez que somente 8,8% destes ocorreram após o período médio de resposta imunológica e proteção”, informa prefeitura de São Paulo. As autoridades observaram que a atividade do vírus tem começado mais cedo na capital, com o pico ocorrendo em maio, antes mesmo da chegada do inverno.

Como se prevenir

A síndrome se caracteriza por febre, tosse e desconforto respiratório. O melhor para se prevenir é lavar frequentemente as mãos com água e sabão, não compartilhar utensílios como copos e talheres, cobrir a boca e o nariz ao tossir e espirrar, utilizar lenços descartáveis e jogá-los no lixo após o uso, manter os ambientes ventilados e tomar a vacina contra a gripe, especialmente se fizer parte dos grupos de risco como gestantes, crianças e idosos.

LEIA MAIS: Anvisa suspende comercialização de omeprazol por problemas na fabricação

De acordo com o Ministério da Saúde, a constante mudança dos vírus Influenza requer monitoramento global e frequente reformulação da vacina. O imunizante contra a H1N1 e os outros tipos de gripe é indicado para todas as pessoas, exceto bebês com menos de 6 meses de idade.