Tamanho do texto

Cientista de Pittsburgh foi contaminada por agulha em laboratório; departamento de saúde descarta riscos na região

Reuters

Pesquisadora se ausentou por cinco dias, mas já está de volta à Universidade de Pittsburgh
Denis Balibouse/Reuters
Pesquisadora se ausentou por cinco dias, mas já está de volta à Universidade de Pittsburgh


Uma pesquisadora de um laboratório dos Estados Unidos voltou ao trabalho na quinta-feira (9) depois de contrair o Zika vírus se furando com uma agulha durante um experimento realizado no mês passado.

A pesquisadora da Universidade de Pittsburgh, que preferiu não se identificar, foi contaminada no dia 23 de maio e só demonstrou sintomas uma semana mais tarde, no dia 1º de junho. Ela sentiu febre e passou cinco dias em casa.

Segundo o departamento local de saúde, o incidente representa o quarto caso confirmado de Zika vírus no condado de Allegheny, no estado norte-americano da Pensilvânia. "Apesar deste caso raro, ainda não existe nenhum risco de se contrair Zika de mosquitos na região", afirmou a diretora do departamento, Karen Hacker, em nota.

Autoridades locais dizem que ainda não há risco de contaminação por mosquito na Pensilvânia
iStock
Autoridades locais dizem que ainda não há risco de contaminação por mosquito na Pensilvânia


Entenda

Não existe vacina ou tratamento conhecidos para o Zika, que é um primo próximo de doenças como dengue e chikungunya e causa febre amena, irritações cutâneas e vermelhidão nos olhos. Cerca de 80% das pessoas infectadas não apresentam sintomas.

Autoridades de saúde dos Estados Unidos concluíram que as infecções de Zika em gestantes podem causar microcefalia, uma má-formação craniana. A relação do Zika com casos de microcefalia em bebês foi registrada pela primeira vez no Brasil em 2015.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse haver um forte consenso científico de que o Zika também pode provocar a Síndrome de Guillain-Barré, uma doença neurológica rara que causa paralisia temporária em adultos.

Saiba mais sobre a relação entre o Zika vírus e a microcefalia:

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.