Tamanho do texto

Rede será formada por especialistas no assunto para repassar à pasta informações sobre pesquisas e estudos sobre o vírus

Um ano após primeiro caso de zika no Brasil, governo instituiu rede de estudos sobre o vírus
iStock
Um ano após primeiro caso de zika no Brasil, governo instituiu rede de estudos sobre o vírus

O Ministério da Saúde instituiu nesta segunda-feira (23) a Rede Nacional de Especialistas em Zika e doenças correlatas (Renezika), um grupo de estudos sobre o zika vírus e doenças correlatas.

De acordo com o texto publicado no Diário Oficial, os principais objetivos do projeto são repassar à pasta informações de pesquisas relacionadas ao vírus, contribuir para a formulação e o aperfeiçoamento de protocolos, além de desenvolver estudos sobre o vírus e doenças correlatas.

A publicação destaca que a rede será formada por uma Secretaria Executiva e por membros especialistas no assunto. Os representantes, titulares e suplentes, segundo o texto, devem ser indicados no prazo de 20 dias.

“A Secretaria Executiva da Renezika poderá convidar para integrar a rede entidades ou pessoas do setor público e privado, que atuem profissionalmente em atividades relacionadas à matéria, sempre que entenda necessária a colaboração para o pleno alcance dos seus objetivos”, informa a portaria.

Caberá aos integrantes da rede promover a integração das atividades de vigilância, prevenção e atenção à saúde, contribuir na produção de análises epidemiológicas e desenvolvimento de projetos de pesquisa prioritários para o SUS, além de assessorar o Ministério da Saúde na priorização de temas de pesquisa para a realização de chamadas públicas, bem como na avaliação de projetos de pesquisa.

O Brasil está sofrendo com o zika vírus há mais de um ano. O primeiro caso da doença foi confirmado em 7 de maio do ano passado e inicialmente tida como uma enfermidade leve, mas foi tratada como emergência internacional meses mais tarde diante das primeiras evidências de sua ligação com o aumento de casos de microcefalia no País.