Tamanho do texto

Estado registrou 114 mil casos de dengue no primeiro quadrimestre do ano, mais de 500 mil a menos do que em 2015

Reforço no combate ao Aedes aegypti é um dos motivos para a queda de casos de dengue em SP
iStock
Reforço no combate ao Aedes aegypti é um dos motivos para a queda de casos de dengue em SP

Após registrar a pior epidemia de dengue da sua história em 2015 o Estado de São Paulo reduziu em 90% o número de mortes pelo vírus no primeiro quadrimestre deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado.

Segundo balanço apresentado pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) nesta sexta-feira (20), 403 pessoas morreram nos quatro primeiros meses de 2015 por complicações da doença. Já neste ano, foram 44.

O governo do Estado informou ainda que o número de casos confirmados de dengue passou de 653 mil de janeiro a maio do ano passado para 114 mil neste ano. Segundo Alckmin, a contratação de agentes extras de combate aos criadouros do mosquito Aedes aegypti foi uma das razões para queda da circulação da doença neste ano.

"Fizemos uma coisa importante que foi contratar os agentes de saúde todo sábado. Chegamos a ter 30 mil agentes, e o combate ao mosquito, que era feito em um quarto dos municípios (25%), passamos a ter no Estado inteiro, porque 90% dos municípios aderiram a esse trabalho", disse o governador.

Gerlado Alckmin também anunciou que o pagamento extra a agentes de saúde aos sábados, implantado de março a maio deste ano, será retomado a partir de setembro com o objetivo de evitar uma nova epidemia no ano que vem.