Tamanho do texto

De acordo com especialista diminuição dos casos da doença está dentro do esperado para esta época, mas novas epidemias não estão descartadas

Foi montado um esquema de fiscalização que vistoria constantemente possíveis focos de Aedes aegypti em áreas olímpicas
iStock
Foi montado um esquema de fiscalização que vistoria constantemente possíveis focos de Aedes aegypti em áreas olímpicas

Considerada uma das ameaças ao sucesso da Olimpíada do Rio, a incidência do zika vírus na cidade caiu drasticamente na primeira semana de agosto, antes do início do evento. Apenas um caso da doença foi registrado no município no período, último dado disponível, segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) carioca. O balanço mostra que em todo o mês de julho houve 249 casos.

As estatísticas oficiais documentam a queda no número de infecções pela doença desde o início do ano. Em janeiro, foram 7.747 casos; em fevereiro, 7.425; em março, 7.170. Houve queda mais acentuada em abril, para 5.609, mas em maio (2.419) e em junho (801) houve recuos ainda maiores.

Leia também:  Transmissão de zika nos EUA pode ser maior do que autoridades pensavam

Para os Jogos, foi montado um esquema de fiscalização específico para as áreas olímpicas, que vistoria constantemente possíveis focos do mosquito. Desde abril, todas elas têm, pelo menos, um agente de vigilância ambiental de saúde credenciado e fixo. Equipamentos de dimensões maiores e com cronograma de atividades mais extenso têm até três agentes, e ainda fiscais nos arredores. De acordo com a SMS, o combate ao mosquito é constante mesmo nos meses de inverno, considerados de menor incidência da doença.

Na capital fluminense, são cerca de 3 mil agentes para fazer o monitoramento em cada domicílio. O revezamento de casas permite que cada família seja visitada uma vez a cada três meses, e já contabiliza 7,3 milhões de inspeções em 2016, até a primeira semana de agosto. Foram eliminados 618,4 mil depósitos de água parada e tratados 1,6 milhão. Em 2015, foram mais de 10 milhões de visitas.

Previsível

Para Roberto Medronho, professor de Epidemiologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a diminuição dos casos está dentro do esperado para esta época. “A temperatura não é elevada e chove menos do que no verão, o que dificulta a reprodução.”

O professor explica que outro fator que respondeu pela diminuição dos casos foi a intensificação das visitas residenciais para monitoramento do vírus, com a aproximação da Olimpíada. Mas Medronho alerta que casas abandonadas ainda atrapalham o controle do vírus.

Leia também:  Turista é preso com ingressos de quem desistiu do Rio 2016 por medo da zika

Segundo o professor, apesar do controle intensivo, novas epidemias não estão descartadas quando as altas temperaturas voltarem.