Tamanho do texto

Foliões, entre eles até as grávidas, não deixam preocupação com vírus afetar a animação durante o feriado prolongado

Carnaval: Movimentação de foliões pelas ruas da região central de São Paulo, neste domingo (7)
Rogerio Cavalheiro/Futura Press - 07.02.16
Carnaval: Movimentação de foliões pelas ruas da região central de São Paulo, neste domingo (7)

Milhões de pessoas em todo o Brasil foram às ruas celebrar o carnaval neste fim de semana, apesar dos temores com o surto do zika vírus. Em Recife, a cidade mais afetada pela doença, mais de um milhão de pessoas participaram da festa. Em Salvador, que também sofre com a epidemia, o carnaval não foi prejudicado. No Rio de Janeiro, multidões lotaram a Sapucaí para acompanhar os desfiles ou foram às ruas da cidade para participar dos mais de 500 blocos.

Nos últimos dias, autoridades nacionais e internacionais fizeram recomendações sobre a zika para toda a população, mas especialmente para casais esperando bebês, já que o vírus está ligado à epidemia de microcefalia no País.

Em um dos blocos cariocas, no entanto, várias famílias e foliãs grávidas participavam da festa. Uma delas disse que estava, sim, preocupada com o surto e que estava usando repelente. “Mas a vida não pode parar. É carnaval.” Muitas pessoas inclusive usaram fantasias do Aedes aegypti , mosquito que transmite o zika vírus, a dengue e a chikungunya.

Teste para a Olimpíada

Em vários pontos do Rio, agentes contratados pelo governo e pela prefeitura distribuíam folhetos com informações alertando moradores e turistas sobre os riscos do zika e trazendo medidas para combater o mosquito. Esse é considerado o primeiro teste para medir se o medo da contaminação pelo zika pode afugentar os turistas dos Jogos Olímpicos, que acontecem na cidade em agosto e setembro.

Aedes aegypti é o mosquito transmissor da dengue, febre chikungunya e do zika vírus
iStock
Aedes aegypti é o mosquito transmissor da dengue, febre chikungunya e do zika vírus

Autoridades brasileiras e o Comitê Olímpico Internacional vêm enfatizando que a Olimpíada vai ocorrer durante o inverno no Brasil, ou seja, quando as condições climáticas são menos favoráveis para a proliferação do mosquito.

Além disso, a presidente Dilma Rousseff anunciou nesta semana que uma operação para combater o Aedes, com mais de 220 mil homens e mulheres das Forças Armadas, vai ser colocada em prática no dia 13 em todo o País. "Vamos nos espalhar por todo território nacional e visitar o máximo possível de casas, para destruir os criadouros do mosquito”, disse Dilma em pronunciamento à nação.

Casos confirmados

Os dados mais recentes do Ministério da Saúde apontam 404 casos confirmados de bebês com microcefalia e/ou outras malformações do sistema nervoso central – na semana anterior eram 270, mas até então a pasta citava apenas ocorrências de microcefalia ao divulgar os números.

No total, há 3.670 bebês com suspeita de terem microcefalia em casos registrados em nove Estados brasileiros: Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.

O boletim do Ministério da Saúde também informou que foram notificados 76 óbitos por microcefalia e/ou alteração do sistema nervoso central após o parto (natimorto) ou durante a gestação (aborto espontâneo)

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.