Tamanho do texto

Comitê Organizador pretende intensificar combate ao Aedes aegypti também durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos

Obras olímpicas serão fiscalizadas para não virarem foco de mosquito
Divulgação
Obras olímpicas serão fiscalizadas para não virarem foco de mosquito

A proliferação dos casos de zika vírus pelo Brasil também preocupa o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio de Janeiro. Todas as instalações que serão usadas nos eventos esportivos, entre agosto e setembro, já estão sendo inspecionadas para conter possíveis focos do mosquito Aedes aegypti , transmissor do zika vírus, da dengue e da febre chikungunya.

Infográfico: Raio-X do zika vírus: perigos, sintomas e consequências graves da doença

A fiscalização será diária e já está em curso, de acordo com o Comitê Rio 2016, pois há ainda muitas obras pela cidade, tanto de instalações esportivas como de mobilidade urbana. Durante os Jogos, os locais poderão ser inspecionados mais de uma vez por dia. Não foi informado, porém, se algum foco de mosquito já foi encontrado ou eliminado.

Leia também: Zika: vírus veio da África e pode ter chegado ao Brasil na Copa de 2014

"Os locais de competições estão sendo vistoriados no combate ao Aedes. Estamos atuando para minimizar os riscos de água parada nas obras", resumiu Mario Andrada, diretor executivo de Comunicação do Comitê Rio 2016, em encontro com jornalistas na última terça-feira (19), em São Paulo.

Transmitidos pelos Aedes aegypti, a dengue  o chikungunya e o zika provocam um grande estresse físico em idosos e em doentes crônicos
iStock
Transmitidos pelos Aedes aegypti, a dengue o chikungunya e o zika provocam um grande estresse físico em idosos e em doentes crônicos


Além de diminuir os riscos de foco com inspeções diárias, o fato de os Jogos Olímpicos e Paralímpicos ocorrerem no inverno é visto como um aliado, já que a incidência de proliferação do Aedes é menor em temperaturas mais baixas.

Leia mais: Carnaval é "coquetel explosivo" para espalhar zika, alertam infectologistas

Segundo dados do Ministério da Saúde, divulgados em 12 de janeiro, o Rio de Janeiro tem 122 casos suspeitos de microcefalia relacionados ao zika vírus, espalhados em 20 municípios, o nono maior entre os Estados – no Brasil, são 3.530 ocorrências. Até o momento, não há recomendações oficiais, tanto do Comitê Rio 2016 como do governo estadual, para que gestantes evitem ir aos Jogos Olímpicos ou Paralímpicos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.