Tamanho do texto

Do total de parlamentares, 14 deputados federais foram eleitos prefeitos e quatro vices; no Senado, Marcelo Crivella venceu o pleito no Rio de Janeiro

Marcelo Crivella (PRB) foi o único senador eleito prefeito no pleito de 2016; ele irá governar o Rio de Janeiro
Marcos Oliveira/Agência Senado - 26.5.2015
Marcelo Crivella (PRB) foi o único senador eleito prefeito no pleito de 2016; ele irá governar o Rio de Janeiro

A Câmara e o Senado irão perder 19 integrantes em 2017 em decorrência do pleito municipal deste ano, cujo resultado do segundo turno foi confirmado no início da noite de domingo (30) pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Os mandatos dos prefeitos e vice-prefeitos eleitos começam no dia 1º de janeiro do ano que vem.

LEIA MAIS:  Eleição para prefeito segue indefinida em 146 cidades, mesmo após 2º turno

Na Câmara, 18 parlamentares terão de renunciar aos mandatos de deputado federal, o que equivale a 3,5% do total da Casa, composta por 513 mandatários. Desses 18 eleitos no pleito municipal, 14 assumirão como prefeitos e outros quatro serão vice-prefeitos.

Entre os 14 novos prefeitos oriundos da Câmara, oito foram eleitos no primeiro turno e outros seis no segundo. O destaque entre os que tiveram a vitória confirmada na segunda etapa da votação foi Nelson Machezan Jr. (PSDB), que irá governar Porto Alegre (RS). Foi o único entre os deputados que ganhou em uma capital.

Já entre os vice-prefeitos, todos farão parte de mandatos em capitais: Marcos Rotta (PMDB), em Manaus (AM); Moroni Torgan (DEM), em Fortaleza (CE); Manoel Júnior (PMDB), em João Pessoa (PB); e Bruno Covas (PSDB), em São Paulo (SP), sendo que os dois últimos integraram chapas que venceram as disputas já no primeiro turno.

Do total de deputados que foram eleitos prefeitos ou vice-prefeitos neste ano, cinco são do PMDB e quatro são do PSDB. PP, PR, PT e PTB têm dois cada, enquanto o DEM tem um.

LEIA MAIS:  Gilmar critica ocupações em escolas e fala em "distanciamento" de eleitores

Em 2012, 25 deputados ficaram em primeiro lugar nas eleições. Nas eleições anteriores, em 2008, a Câmara teve 18 integrantes que deixaram os mandatos para assumir prefeituras pelo Brasil .

Senado

Entre os senadores, o único que deixará a Casa para se tornar prefeito é Marcelo Crivella (PRB), que derrotou o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL) e irá tomar posse em janeiro como chefe do Executivo municipal do Rio de Janeiro . Ele teve 59,36% dos votos válidos, contra 40,64% do seu adversário.

De acordo com o Senado, Crivella é o sexto senador a se eleger prefeito desde a redemocratização do País, em 1985. Antes dele, obtiveram sucesso na empreitada Roberto Saturnino, eleito em 1985 no Rio de Janeiro; Guilherme Palmeira, que venceu em 1988 em Maceió (AL); Amazonino Mendes, vitorioso em Manaus (AM), em 1992; Ernandes Amorim, vencedor em Ariquemes (RO), em 1996; e Duciomar Costa, que em 2004 ficou em primeiro lugar na eleição de Belém (PA).

LEIA MAIS:  Articulador do impeachment, PMDB é o partido com mais candidatos no País

Além de Crivella , também participou do pleito municipal de 2016 a senadora Marta Suplicy (PMDB-SP), que ficou em quarto lugar na disputa na capital paulista, com 587.220 votos, o que corresponde a 10,14% do total.