Tamanho do texto

Levantamento aponta que cerca de 16 mil pessoas que fazem parte do programa doaram a partidos ou candidatos; TSE vê possibilidade de fraude

Agência Brasil

TSE cruzou dados do cadastro de beneficiários de programas sociais e do sistema de prestação de contas do tribunal
Agência Senado
TSE cruzou dados do cadastro de beneficiários de programas sociais e do sistema de prestação de contas do tribunal

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou nesta quinta-feira (22) que o valor de doações eleitorais realizadas por beneficiários do programa Bolsa Família superou R$ 15,970 milhões até a última segunda-feira (19). Os dados foram coletados a partir de um cruzamento entre o cadastro de beneficiários de programas sociais do governo federal e o sistema de prestação de contas do tribunal.

LEIA MAIS:  Eleição sem disputa: a campanha para prefeito em cidades com candidato único

Cerca de 16 mil pessoas que fazem parte do programa fizeram doações a partidos políticos ou candidatos. De acordo com o TSE, para o cargo de vereador foram doados R$ 12.254.281,02 por beneficiários do Bolsa Família em todo o País. 

Para o cargo de prefeito, as doações alcançaram R$ 3.511.722,48 e para os partidos, R$ 204.433,00. Com a apuração, foi possível identificar que a maior doação realizada por um beneficiário do programa foi de R$ 67 mil.

Para o presidente do TSE, ministro Gilmar Mendes, com os dados analisados, alguns valores podem indicar a ocorrência de fraude.

Cruzamento de dados

“Vamos ter de investigar, mas indica que está havendo fraude ou esta pessoa de fato não deveria estar recebendo o Bolsa Família. Essa é uma das hipóteses ou está ocorrendo aquele fenômeno que nós chamamos do 'caça CPF', a ideia de se manipular o CPF de alguém que está inocente nessa relação. Tudo isso terá de ser devidamente investigado”, adiantou o ministro.

Segundo Gilmar Mendes, com o cruzamento de dados, as irregularidades poderão ser identificadas antecipadamente
José Cruz/Agência Brasil - 25.7.16
Segundo Gilmar Mendes, com o cruzamento de dados, as irregularidades poderão ser identificadas antecipadamente

De acordo com Gilmar Mendes, com o cruzamento de dados, as irregularidades poderão ser identificadas antecipadamente. “No sistema anterior, só sabíamos depois, se é que sabíamos. Ficávamos sabendo quando fazíamos alguma análise das prestações de conta. Agora, estamos fazendo esse exame prévio. Estamos dialogando com o Tribunal de Contas da União, Ministério do Desenvolvimento Social, Polícia Federal, Ministério Público e Coaf [Conselho de Controle de Atividades Financeiras]. Portanto, estamos em condições muito mais confortáveis de fazer esse exame, cumprindo bem nosso papel.”

LEIA MAIS: Celso Russomanno é o primeiro candidato a apresentar propostas à TViG

O ministro do Desenvolvimento  Social e Agrário, Osmar Terra, também participou da coletiva. Segundo o ministro, os dados serão investigados. “Às vezes está sendo usado o CPF da pessoa e ela nem sabe. Vamos fazer uma investigação. Cada caso desse vai ser apurado agora.”

Doações

Conforme as informações do TSE, do total doado pelos beneficiários do Bolsa Família, mais de R$ 10,813 milhões correspondem a doações estimadas, ou seja, quando é feita em forma de prestação de serviço e não em dinheiro.

Segundo o TSE, os R$  5.157.328,45 restantes correspondem a doações em dinheiro. Os cinco partidos que mais receberam doações de beneficiários do programa foram o PTB (R$ 1.767.262,33), PMDB (R$ 1.517.122,36), PSD (R$ 1.109.949,30), PSDB (R$ 1.008.855,00) e PT (R$ 914.233,14).

LEIA MAIS: Candidato à reeleição em SP, Fernando Haddad concede entrevista à TViG

No caso das doações estimadas, o PTB foi o que mais recebeu e o PSB o que teve menor caso de prestações de serviços. Sobre doações financeiras, o PMDB foi o que mais recebeu, enquanto o PP aparece com menor registro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.