Tamanho do texto

Candidata do Psol à Prefeitura não tem direito legal de participar de debates porque seu partido não possui número mínimo de deputados na Câmara

Ivan Valente e Luiza Erundina acompanham discurso de Guilherme Boulos, do MTST, em frente à TV Bandeirantes
Facebook/Divulgação
Ivan Valente e Luiza Erundina acompanham discurso de Guilherme Boulos, do MTST, em frente à TV Bandeirantes

Candidata do Psol à Prefeitura de São Paulo, Luiza Erundina promoveu um protesto com filiados em frente à sede da TV Bandeirantes para exigir sua participação nos debates ao longo do período eleitoral nas eleições municipais de 2016.

O protesto de Erundina foi realizado antes do início do primeiro debate entre candidatos ao governo municipal, com participação de Celso Russomanno (PRB), Fernando Haddad (PT), Marta Suplicy (PMDB), João Doria (PSDB) e Major Olímpio (Solidariedade).

O veto da emissora à ex-prefeita de São Paulo (seu mandato foi entre os anos de 1989 e 1993) no debate é devido às novas regras eleitorais, segundo as quais só podem participar políticos com ao menos dez deputados federais em suas bancadas na Câmara. O Psol de Erundina tem apenas seis, incluindo a candidata. 

O ato foi convocado por Ivan Valente, candidato a vice-prefeito na chapa de Erundina. "Negaram nossa participação no debate da Band hoje às 22h39. Temem a força do Psol, partido que tem propostas de peso, com poder de transformação. Mas não vão nos calar", escreveu ele nas redes sociais. A manifestação contou com o apoio do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto, que tem ligação com o Partido.

Taxistas também protestam

Enquanto eleitores de Erundina protestavam contra a não participação da candidata no debate, um grupo de taxistas se juntou na frente da TV Bandeirantes para gritar contra o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, que regulamentou o aplicativo Uber no primeiro semestre.

Um dos líderes da manifestação, que não foi convocada pelo sindicato da categoria, José Paulo dos Santos disse que as medidas do prefeito contra os taxistas e a favor do aplicativo foram "imprudentes". 

Eles exibiam faixas com os dizeres "prefeito Fernando Haddad, você destruiu a vida, as famílias e a história de uma categoria. Satisfeito com seu mandato? E sua consciência como está?" entre gritos de "Haddad, ladrão, roubou minha profissão".

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.