Correção do Enem teve erro na gráfica, afirmou ministro
Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Correção do Enem teve erro na gráfica, afirmou ministro

Fontes ouvidas pelo jornal O Globo relataram nesta segunda-feira (20) que o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) estaria checando toda a base de respostas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para verificar possíveis erros. Cerca de 3,9 milhões de candidatos fizeram o Enem nesta edição. A checagem é feita prova por prova, mas como as informações estão digitalizadas em um sistema de conferência é possível concluir o trabalho com muita rapidez.

O Globo questionou o Inep sobre a ampliação do escopo de verificação e sobre como é feita a checagem, mas o órgão afirmou que as informações só serão dadas em coletiva de imprensa às 19h desta segunda.

O problema teria ocorrido na impressão do lote de provas na gráfica. A empresa teria deixado de fazer um procedimento de segurança: a checagem , por meio de leitura ótica, do caderno de questões e do caderno de respostas. Ambos os documentos têm código de identificação e precisam passar pela checagem para que sejam encadernados juntos. Sem essa medida, teriam sido montados de forma errada, gerando as notas erradas.

Em entrevista à rádio Gaúcha , o ministro da Educação, Abraham Weintraub , afirmou que o  problema teria ocorrido em uma impressora da gráfica que, segundo ele, "dava umas engasgadas" o que ocasionou falhas na junção da prova com o gabarito, interferindo no processo de correção.

Você viu?

Leia também: Sisu abre amanhã: veja passo a passo de como fazer a inscrição

"Aparentemente não foi uma coisa de má-fé, foi um acidente, coisa que acontece. Não depende da minha avaliação. A gente vai ver legalmente o que acontece", disse na entrevista.

Integrantes do Ministério da Educação (MEC) sustentam que o problema foi verificado apenas em uma parte específica das provas. A estratégia é tentar circunscrever a falha na correção a cerca de 5,5 mil provas, como forma de blindar o Enem de um clima de desconfiança generalizado e manter o calendário de seleções que usam a nota do exame, a começar pelo Sistema de Seleção Unificado (Sisu).

Números preliminares apontam que cerca de 170 mil participantes enviaram mensagem ao e-mail que o governo abriu para receber reclamações sobre notas inconsistentes. O governo foi questionado pelo O Globo sobre o número de queixas recebidas, mas não respondeu. Em entrevista à Rádio Gaúcha , o ministro afirmou que cerca de 200 mil candidatos pediram a revisão. O canal foi fechado às 10h desta segunda. A gráfica acompanha toda a checagem aberta pelo Inep nos últimos dias e deve soltar uma nota de esclarecimento, segundo pessoas com acesso aos trâmites internos. No entanto, até o momento, não houve manifestação da empresa.

Entidades estudantis acompanham o desenrolar da questão. A União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) e a União Nacional dos Estudantes (UNE) pretendem  entrar com uma ação por danos morais contra o MEC pelos erros do Enem .

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários