Tamanho do texto

De acordo com Mendonça Filho, mudanças no programa devem contornar problemas financeiros detectados pelo Tribunal de Contas da União (TCU)

Fies que facilita o acesso ao ensino superior deverá, segundo o ministro, ir além das 225 mil vagas oferecidas neste ano
Reprodução
Fies que facilita o acesso ao ensino superior deverá, segundo o ministro, ir além das 225 mil vagas oferecidas neste ano

O ministro da Educação, Mendonça Filho, disse nesta segunda-feira (28) que pretende reformular e aumentar o número de vagas do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). “Nosso compromisso com relação ao programa é que a gente possa ter um Fies turbinado e que seja sustentável no médio e no longo prazo”, disse após dar palestra na Associação Comercial de São Paulo.

Em 2017, o Fies  que facilita o acesso ao ensino superior deverá, segundo o ministro, ir além das 225 mil vagas oferecidas neste ano. “Nós pretendemos ter mais vagas para o próximo ano. Mas eu não posso fixar enquanto nós não concluirmos essa avaliação”, acrescentou Mendonça sobre os trabalhos que devem ser concluídos entre o final deste ano e o início do próximo.

De acordo com o ministro, as mudanças no fundo devem contornar os problemas financeiros detectados pelo Tribunal de Contas da União (TCU). “Vocês acompanharam aquilo que foi publicado a partir do relatório do Tribunal de Contas da União, que, infelizmente, demonstrou um enorme rombo potencial hoje e projetado para o futuro com relação ao Fies. Então, a gente precisa ter cuidado em preservar esse mecanismo importantíssimo de acesso ao ensino superior no nosso País”, enfatizou.

LEIA MAIS: Controle de gastos, investimentos, estágio: veja dicas para pagar o Fies

Mudanças no Fies devem, de acordo com o ministro, contornar os problemas financeiros detectados pelo TCU
Valter Campanato/Agência Brasil - 6.11.2016
Mudanças no Fies devem, de acordo com o ministro, contornar os problemas financeiros detectados pelo TCU

TCU e gestões anteriores 

Na última sexta-feira (25), o TCU anunciou que pretende ouvir os ex-ministros da Educação Fernando Haddad, Aloízio Mercadante e José Henrique Paim Fernandes, a respeito das gestões anteriores (2005 a 2015). Segundo o tribunal, a gestão e a expansão do fundo entre 2010 e 2015 não evitaram riscos, nem corrigiram desvios que podem levar à insustentabilidade do Fies.

As destinações orçamentários para o programa vinham, de acordo com o TCU, sendo subestimadas. A análise feita pelo tribunal aponta que, em 2013 e 2014, os valores previstos nas propostas de orçamento enviadas ao Congresso Nacional estavam muito aquém do necessário para cobrir as despesas com as mensalidades dos estudantes.

LEIA MAIS: MEC adia prazo e estudantes terão até 15 de dezembro para renovar Fies

A forma de expansão dos financiamentos foi feita, segundo o TCU, de forma temerária, especialmente porque, a partir de 2014, foi dispensada a exigência de fiador aos estudantes. Assim, todos os beneficiários passaram a ser avalizados pelo Fundo de Garantia de Operações de Crédito Educativo, o que extrapolou os limites desse fundo destinado a cobrir perdas do sistema de crédito estudantil.

Sustentabilidade

A partir dos problemas no Fies apontados pelo TCU, Mendonça disse que será apresentada uma proposta que corrige as distorções apresentadas. “Pretendemos reformulá-lo, garantindo a sua saúde financeira e o equilíbrio necessário, a chamada sustentabilidade. Porque, na prática, de acordo com os dados divulgados recentemente, o que se projeta é um rombo estratosférico”, destacou.

* Com informações da Agência Brasil

    Leia tudo sobre: Fies
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.