Tamanho do texto

USP lidera a lista da QS para a região, seguida pela Unicamp e universidade chilena; Brasil vai bem em número de estudos publicados mas mal no impacto gerado por esses estudos

A Universidade de São Paulo (USP) voltou a liderar o ranking das melhores universidades da América Latina publicado pela Quacquarelli Symonds (QS), renomada empresa britânica especializada em avaliação educacional, após ter perdido a liderança em 2014 para a Pontificia Universidad Católica de Chile (UC).

Na lista deste ano, o segundo lugar ficou com a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e há outras três instituições brasileiras no top 10 do QS: a Universidade Federal do Rio de Janeiro (URFJ), que ficou em 5º lugar, a Unesp ficou em 8º e a Universidade de Brasília (UnB) ficou em 10º.

Na imagem, praça do Relógio na Cidade Universitária da USP
divulgação/Usp
Na imagem, praça do Relógio na Cidade Universitária da USP

Como em anos anteriores, o Brasil continua a dominar o ranking, com 17 instituições entre as 50 melhores. Um comunicado da QS ressaltou o desempenho "particularmente impressionante" da Universidade de Brasília, que saltou sete posições no ranking deste ano.

Leia também: Cinco lições à América Latina do maior ranking global de educação

O avanço da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e da Universidade Federal de Santa Catarina também foram destacados. Ambas ganharam 17 posições e saltaram das posições 40º e 41º, para 23º e 24º, respectivamente.

Produtividade
O instituto também deu destaque para o fato de nove entre as 10 melhores instituições no quesito produtividade, ou seja, estudos publicados.

No entanto, o Brasil teve um desempenho inexpressivo no que concerne o impacto dessas investigações, que diz respeito ao número de vezes que esses estudos foram citados por outros papers.

Alto número de estudantes em faculdades da América Latina são um problema, já que as universidades que lideram a lista geral, como Oxford (na foto) têm menos alunos
Divulgação
Alto número de estudantes em faculdades da América Latina são um problema, já que as universidades que lideram a lista geral, como Oxford (na foto) têm menos alunos


"As universidade do México, Argentina e Colômbia se destacam em certas áreas, mas seguem atrasadas na tarefa de conseguir uma consistência no desempenho geral, como as instituições do Brasil e do Chile", afirma Ben Sowler, diretor de pesquisas da QS.

Opinião:  Perfil da faculdade é mais importante que posição em ranking

"O alto número de estudantes por professor é um problema para várias instituições educacionais públicas da região."

De fato, as universidades que lideram o ranking geral da QS (divulgado no ano passado) têm bem menos alunos do que as brasileiras.

Os primeiros lugares do ranking mundial são ocupados por, respectivamente, MIT (com 11 mil alunos), Cambridge (18 mil), Imperial College (14 mil), Harvard (21 mil), Oxford (22 mil), enquanto a USP tem mais de 90 mil estudantes.

Realizado desde 2011, o ranking leva em consideração indicadores como produtividade, impacto dos estudos, presença online, proporção de professores com PhD e reputação acadêmica e dos funcionários.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.