Tamanho do texto

Movimento ocorre por governo adotar lema "pátria educadora, enquanto corta recursos para a manutenção dos bandejões"

Segundo organizadores, cerca de 200 estudantes acampam em frente ao Ministério da Fazenda
Facebook/Reprodução
Segundo organizadores, cerca de 200 estudantes acampam em frente ao Ministério da Fazenda

Estudantes da União Nacional de Estudantes (UNE) e da União Brasileira de Estudantes Secundaristas (Ubes) montaram acampamento, nesta quarta (10) pela manhã, em frente à sede do Ministério da Fazenda, em Brasília, para protestar contra os cortes de verbas na educação em consequência do ajuste fiscal estabelecido pelo governo.

Cortes:  Ministérios das Cidades, Saúde e Educação lideram cortes no Orçamento

Estudantes prometem continuar acampados até serem recebidos por Joaquim Levy
Facebook/Reprodução
Estudantes prometem continuar acampados até serem recebidos por Joaquim Levy

Segundo os organizadores, há cerca de 200 estudantes acampados no local. Para a Polícia Militar, há 60 estudantes. Há 50 barracas montadas.

A presidente da UNE, Carina Vital, disse que o movimento dos estudantes ocorre em razão de o governo adotar como lema  o “apoio à pátria educadora, enquanto corta recursos para a manutenção dos bandejões”. Ele acrescentou que os estudantes também protestam contra a demissão de servidores terceirizados, que dão o suporte administrativo às universidades,

Carina Vital disse que os estudantes vão manter os acampamento até serem recebidos pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Ela acrescentou que, à tarde, os estudandes vão ao Congresso Nacional para protestar também contra a proposta que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos.

Mais cortes: Pronatec e Ciência sem Fronteiras sofrerão cortes este ano, diz MEC

A presidente da Ubes, Bárbara Melo, disse que o ajuste fiscal “ignora um problema real que existe hoje na educação brasileira: a saída da crise não passa pela diminuição dos investimentos e sim pelo aumento dos investimentos”.

Veja os principais problemas da educação no Brasil:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.