Tamanho do texto

Greve começou em 13 de março e o governo do Estado de São Paulo se recusa a negociar desde então; Nenhuma nova proposta foi apresentada aos professores durante o encontro

Agência Brasil

Professores da rede estadual de Educação de São Paulo, em greve desde o dia 13 de março, se reuniram na manhã de desta segunda-feira (1º) com o secretário de Educação Herman Voorwald. A reunião ocorreu após protesto organizado pelos grevistas, na porta da secretaria, para pressionar pela negociação com o governo. No protesto, alguns professores chegaram a se acorrentar aos portões na entrada do prédio, na Praça da República.

Leia também:  Greve chega a 56 instituições federais de ensino, apontam sindicatos

Segundo o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), o movimento foi “em protesto pela forma desrespeitosa como nossa categoria vem sendo tratada e [pela] falta de negociações”.

Nenhuma nova proposta foi apresentada aos professores durante o encontro. Segundo a secretaria, na reunião com os dirigentes do sindicato, o secretário reafirmou as propostas apresentadas anteriormente à categoria. Entre elas, a que estabelece a data-base em julho, e não março, como querem os professores. Também foram reafirmadas as propostas de melhorias aos professores paulistas, como a de inclusão dos temporários na rede de atendimento do Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual e o aprimoramento da contratação dos docentes, de acordo com a nota divulgada pela secretaria na noite de hoje.

Por meio de nota, o sindicato lamentou que, na reunião, o secretário não tenha apresentado valores para o reajuste e nem definido data para quando isso será feito.

Os professores estão em greve desde o dia 13 de março e reivindicam 75,33% de reajuste salarial. O governo paulista, amparado por decisão da Justiça, tem descontado os dias parados dos grevistas, o que, para o sindicato, tem feito diminuir a adesão à greve nos últimos dias. O governo diz que 96% dos professores estão dando aula, enquanto o sindicato estimava, até a última sexta-feira (29), que 30% dos professores estavam paralisados.

Nova assembleia dos professores está marcada para a tarde da próxima quarta-feira (3) no vão-livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.