Tamanho do texto

Garrafas de água foram arremessadas em direção à tropa, que recuou para evitar o uso da força. No início da tarde, docentes decidiram continuar em greve em assembleia no vão do Masp

A caminhada dos professores da rede estadual de educação, em greve há mais de dois meses, teve um princípio de confusão por volta das 17h dessa sexta-feira (22). Eles andavam na Rua da Consolação, no sentido centro, quando um grupo de aproximadamente 20 pessoas ocuparam o sentido oposto da via.

Professores da rede estadual de São Paulo estão em greve desde o dia 13 de março
Reprodução/Youtube
Professores da rede estadual de São Paulo estão em greve desde o dia 13 de março

Policiais que acompanham o ato tentaram negociar a liberação da faixa sentido bairro, mas não houve acordo. O tumulto ocorreu com a chegada da Tropa de Choque da Polícia Militar (PM), pois os manifestantes que caminhavam no sentido centro saíram em apoio ao grupo menor.

Os professores cantaram para os policiais: “Ô, seu polícia, sem violência. Dou aula para o seu filho com toda a paciência”. Garrafas de água foram arremessadas em direção à tropa, que recuou para evitar o uso da força. Em seguida, a via foi liberada.

O protesto seguiu pacificamente em direção à Praça da República, onde fica a sede da Secretaria Estadual de Educação. O Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo estima que 20 mil pessoas participam do ato. A PM contabilizou 3 mil pessoas.

Leia mais:

Parados há 70 dias, professores estaduais mantêm greve em São Paulo

Alckmin ganha na Justiça e poderá descontar salários de professores em greve

No início da tarde, os professores decidiram pela continuidade da greve em mais uma assembleia no vão-livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista. Eles reivindicam reajuste salarial de 75,33%. Uma nova assembleia está marcada para o dia 29, quando a categoria irá se unir à greve geral convocadas por centrais sindicais contra o Projeto de Lei 4.330, que libera as terceirizações. Na última quarta-feira (20), o Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu descontar os dias parados dos professores em greve. O sindicato disse que vai recorrer.

Confira fotos dos protestos dos professores de SP:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.