Tamanho do texto

Após atrasar pagamento de terceirizada, unidades da instituição ainda estão sem equipe de limpeza

A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) adiou, por mais uma semana, o reinício das aulas do primeiro semestre deste ano. Algumas de suas unidades ainda estão sem equipe de limpeza. O serviço, terceirizado por meio de licitação, é administrado pela  empresa Qualitécnica. Todas as atividades acadêmicas da UFRJ – inclusive no Colégio de Aplicação e na Escola de Educação Infantil – ficam suspensas até a próxima segunda-feira (16).

UFRJ, campus Ilha do Fundão
Reprodução/Monica Kaneco/Flickr
UFRJ, campus Ilha do Fundão

Na sexta-feira (6), representantes sindicais, estudantes e trabalhadores da limpeza participaram da plenária de decanos e diretores, com os membros do conselho universitário, na qual foi constatado que a maioria das 63 unidades acadêmicas não teria condições de reiniciar as atividades hoje (9). A data original para o início das aulas era 2 de março .

Cenário: MEC bloqueia um terço da verba das federais; universidades atrasam bolsas
P rotesto: Em "vassouraço", pais de alunos exigem volta às aulas em colégio da UFRJ
Minas: Após redução de verba, UFMG deixa de pagar contas de luz e água

Embora algumas unidades acadêmicas sejam atendidas por outra empresa e estejam prontas para o início das aulas, a UFRJ optou pelo cumprimento do calendário acadêmico de forma conjunta com o reinício das aulas após sanadas as atuais pendências. A assessoria da UFRJ informou que as unidades atendidas pela Qualitécnica estão sendo prejudicadas pelo não cumprimento de cláusula contratual pela empresa, que deveria honrar o pagamento dos trabalhadores, mesmo sem repasse de verbas da universidade por até 90 dias. A assessoria explicou que estão sendo tomadas providências para solucionar o impasse entre a empresa e seus trabalhadores, antes de adotar medidas legais para a ruptura unilateral do contrato.

A assessoria de comunicação da Qualitécnica não foi encontrada para comentar o assunto.

O estudante de engenharia mecânica Lucas Rangel Freire, de 20 anos, é um dos prejudicados pelo adiamento das aulas. Ele veio do Espírito Santo para estudar na UFRJ. “Nesse período sem aula não dá para programar nada, e cedo ou mais tarde, lá na frente, [isso] vai prejudicar as férias. Não dá para organizar uma viagem. Ficamos na expectativa, meio presos”, afirmou.