Tamanho do texto

Aulas dos 650 alunos foram adiadas por atrasos no pagamento do pessoal de limpeza. UFRJ teve corte no repasse federal

Pais e alunos do Colégio de Aplicação (CAP) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) promoveram hoje (3) um ato simbólico com vassouras  e baldes para limpar a porta da unidade, na Lagoa, zona sul da cidade. A medida foi tomada após o atraso no pagamento de funcionários da limpeza, que resultou no adiamento das aulas, prejudicando cerca de 650 alunos. A UFRJ informou que somente o terceiro ano está tendo aulas e que, ainda nesta semana, o conselho pedagógico vai se reunir para definir o recomeço das atividades nas outras turmas. 

Além do "vassouraço", os pais vão organizar cestas básicas para distribuir entre os servidores que tiveram os salários atrasados. Os pais de alunos e os professores do colégio exigem o retorno imediato das aulas. Para o representante da Associação de Pais do CAP/UFRJ, Wilson Pessanha, a situação é um descaso com os alunos da instituição.

"O CAP é um colégio de excelência, com 60 anos de história, e não pode se reverberar de uma situação caótica como essa, de não poder reiniciar suas aulas no prazo previsto, por conta de um serviço de limpeza. Queremos chamar a atenção para o descaso com essa instituição importante e precisamos de uma solução logo", disse Pessanha.

Ele destacou que são muitas as crianças matriculadas no colégio e que é grande o volume de lixo acumulado após um dia de aula de 750 alunos. "Torna-se insuportável, vira risco de doenças para as crianças, e não faz o menor sentido, de fato, a direção do colégio reiniciar as aulas nessa condição", afirmou Pessanha. Para ele, os pais precisam de mais informações sobre os motivos da situação e por que o problema ainda não foi solucionado.  

Os professores do CAP/UFRJ, também se juntaram ao ato organizado pela associação e se solidarizaram com o retorno as aulas. De acordo o presidente da Associação Sindical dos Docentes da UFRJ, Cláudio Ribeiro, os professores apoiam a causa dos servidores da limpeza, mas ainda não há informações precisas nem para os professores. 

"Isso é um descaso programado do governo. Não existe um programa de educação que é construído, que não dá de fato as condições de realização da educação pública. Não podemos ficar parados esperando, e os professores estão se organizando para pressionar, para que voltemos a ter condições de dar as aulas. Nós recebemos uma nota da reitoria dizendo que seria regularizada no início da semana que vem, mas não temos nenhuma informação mais precisa – a resposta que temos do Ministério da Educação é que o corte vai permanecer", disse Ribeiro.

Em nota, a UFRJ informou que o atraso no pagamento ocorreu por não ter sido aprovado o Orçamento da União para 2015. Segundo a universidade, os meses do ano passado em aberto já foram pagos neste ano à empresa Qualitécnica e os serviços de limpeza estão sendo retomados gradativamente. A UFRJ diz ainda que a direção do colégio optou por retornar com apenas parte dos alunos para evitar transtornos e, por isso, os alunos do 3º ano retornaram as aulas no último dia (26).