Tamanho do texto

Cantora erra letras de algumas músicas, mas mesmo assim conquista público em São Paulo

Maria Bethânia canta em São Paulo
AgNews
Maria Bethânia canta em São Paulo
Maria Bethânia canta o repertório de Chico Buarque há 40 anos e, entre discos ao vivo e de estúdio, já gravou mais de 50 músicas do compositor. Mas, até 2011, nunca tinha feito um show apenas com canções do autor de "Olhos nos Olhos" e "Apesar de Você". A espera terminou com o espetáculo que estreou no final de semana em Curitiba e, nesta terça, chegou a São Paulo.

Na estreia no Paraná, Bethânia foi muito criticada por ter que apelar a colas para se lembrar das letras. O expediente se repetiu em São Paulo e, em alguns momentos, atrapalhou a fluidez do espetáculo. Mas, pelo menos no Via Funchal, a cantora driblou o problema com maestria.

"Eu estou lendo", admitiu antes de cantar "A Banda" (uma homenagem a Nara Leão, primeira intérprete de Chico), quase no final show. Antes, ela já havia errado a letra de outras duas canções, "Baioque" e "João e Maria" ("Tornei a errar", reclamou, insatisfeita). A interpretação de pelo menos mais uma, "Brejo da Cruz", também foi prejudicada pela insegurança de Bethânia em relação à letra.

Leia também: De chapéu e jaqueta de lantejoulas, Sandy canta Michael Jackson

Mas o público não se incomodou, tanto que aplaudiu a cantora todas as vezes em que ela se embananou. E os erros foram minoria dentro de um espetáculo no geral emocionante. Nas músicas em que estava segura, Bethânia mostrou por que é a melhor intérprete de Chico Buarque.

Maria Bethânia
AgNews
Maria Bethânia
O repertório privilegiou as canções que Chico fez nos anos 1960 e 1970. Bethânia abriu a apresentação com "Rosa dos Ventos", canção que deu nome a um de seus shows mais famosos em 1971. Foi a largada para uma primeira parte de canções de cunho social e político, como "Baioque", "Roda Viva", "Cálice" e "Apesar de Você".

Após um intervalo instrumental (uma belíssima versão de "Beatriz"), Bethânia voltou cantando "Terezinha". Seguiu-se um bloco romântico, com "Cotidiano" e "Sem Açúcar" e, mais tarde, "Olhos Nos Olhos" e "Tatuagem". Em meio a essas canções, também apareceram músicas mais festivas, como "Quem Te Viu, Quem Te Vê" e "Noite dos Mascarados".

Houve até uma participação especial do próprio Chico. Só que virtual: num telão no fundo do palco, foram projetadas imagens de um dueto de 2001 de Bethânia com o compositor em "Sem Fantasia". A aparição provocou uma pequena confusão nas laterais do Via Funchal: como era impossível ver o telão desses pontos, algumas pessoas pensaram que Chico estava mesmo no palco ao ouvir sua voz.

No geral, Bethânia se saiu melhor nas músicas que já está bastante acostumada a cantar. "Gente Humilde", "Terezinha", "Olhos Nos Olhos", "Vida" e "Todo o Sentimento", por exemplo, são canções comuns em seu repertório há anos, e ela as interpretou com segurança.

As surpresas não fluíram com tanta desenvoltura. Mesmo assim, ver Bethânia resgatar "Gota d'Água" e "Tatuagem", músicas que não intepretava há décadas, já valeu o ingresso. "A Rita" e "Valsinha" também foram gratas surpresas. A noite terminou com "Chico Buarque da Mangueira", samba-enredo de 1998 em homenagem ao compositor.

Veja abaixo o repertório do show de Maria Bethânia no Via Funchal:

"Rosa dos Ventos"
"Baioque"
"Maninha"
"Roda Viva"
"Cala a Boca Bárbara"
"Tira as Mãos de Mim"
"Cálice"
"Brejo da Cruz"
"Gente Humilde"
"Apesar de Você"
"Gota d'Água"
"Sonho Impossível"
"Minha História"
"Beatriz" (instrumental)
"Terezinha"
"Cotidiano"
"Sem Açúcar"
"Valsinha"
"João e Maria"
"Quem Te Viu, Quem Te Vê"
"A Noite dos Mascarados"
"A Rita"
"Olhos nos Olhos"
"Tatuagem"
"Vida"
"Olê Olá"
"Sem Fantasia" (no telão)
"Todo o Sentimento"
"Não Existe Pecado ao Sul do Equador"

Bis 1
"A Banda"

Bis 2
"Chico Buarque da Mangueira"