Tamanho do texto

O cantor é um ávido usuário das redes sociais e conta as razões pelas quais gosta tanto de postar na internet

Quem pensa que o cantor e compositor Guilherme Arantes está sumido, na verdade, está muito enganado. Celebrando 200 mil fãs em sua página no Facebook , o músico é um ávido usuário de redes sociais e, pessoalmente, atualiza o espaço com posts que classifica como "opinativos".

Recentemente, o cantor se queixou das pessoas que o julgaram "sumido" pelo fato de não estar diariamente na programação da TV aberta. "Não sei o que as pessoas querem, talvez voltar no tempo", conta em entrevista ao iG .

Siga o iG Cultura no Twitter

"Não sei o que eu deveria estar fazendo, além do que foi feito este ano, para que as pessoas mudassem esse discurso, já que por trás dessa insatisfação existe, sim, a cobrança de mais resultados, uma sugestão de 'insuficiência'. A humanidade é muito cruel em suas boas intenções", desabafa em uma postagem sincera na internet.

Em fase de divulgação do mais recente trabalho, "Condição Humana", Arantes, agora aos 60 anos, enxerga-se como um homem mais sólido. "É um ciclo de chegar a ser avô, ter meus filhos na faixa dos 30. É uma parte inesquecível da minha vida, porque eu realmente me consolidei."

Autor de hits como "Planeta Água", "Deixa Chover", "Cheia de Charme" e "Meu Mundo e Nada Mais", Guilherme Arantes também ficou famoso por ter emplacado várias músicas em trilhas de novelas. Seu mais recente disco, "Condição Humana", é o 21º em 40 anos de carreira e foi lançado pela produtora do cantor, a Coaxo de Sapo.

Leia abaixo a entrevista completa com Guilherme Arantes:

iG: Por que você desabafou no Facebook sobre "estar sumido"?
Guilherme Arantes: Muita gente fala que o artista está "sumido", isso quer dizer o quê? (Sumido) da TV aberta? Lá tem pouco espaço para a música. Um dia um motorista de táxi perguntou 'por que eu não estava indo ao (programa do) Chacrinha?'. Eu perguntei: 'Mas você está vendo o Chacrinha?'. As próprias pessoas também estão por fora. Não sei o que querem, talvez voltar no tempo.

iG: Nesse sentido a internet tem ajudado a se divulgar?
Guilherme Arantes: A própria interação na rede é uma coisa nova que as pessoas não reconhecem. 'Você tinha de aparecer mais'. Imagina! Estou aparecendo muito mais na internet postando os meus pensamentos. Talvez seja uma reclamação para voltar a ter os programas de auditório, só de musica. Realmente falta isso no mercado.

iG: Programas como o The Voice fariam essa função?
Guilherme Arantes: O The Voice é uma fórmula inteligente, porque coloca artistas consagrados não como jurados, mas como parceiros. É o caso do Lulu Santos, que é muito competente e está brilhando bastante, falando coisas legais. Eu não faria, não sei no futuro, mas nós artistas somos muito mais para o lado dos calouros do que dos julgadores. Estamos sempre na sala dos calouros batalhando por um espaço.

iG: Compor o novo disco, "Condição Humana", foi muito diferente em comparação aos trabalhos anteriores?
Guilherme Arantes: Hoje em dia você tem de construir todo o aparato, ter o próprio selo, o próprio estúdio, uma equipe de divulgação. Mas estou bem satisfeito. Pela primeira vez, estou com três músicas de um mesmo disco tocando nas rádios. Não temos mais a condição que tinha antes com as grandes gravadoras, (da época) do vinil. Hoje o showbizz torna a vida do artista mais estável, ele faz mais shows ao vivo do que naquela época. Hoje é muito mais desenvolvido. Acho que a internet fez muita diferença para mim.

Guilherme Arantes
Divulgação/Facebook
Guilherme Arantes

iG: De que modo? Você mesmo atualiza sua página no Facebook?
Guilherme Arantes: Tem uma equipe que faz o trabalho mais braçal de divulgação e eu fico com a parte mais opinativa. Acho bem bacana, porque você compartilha pensamentos, uma coisa que a televisão não permitia. Não tinha espaço para você abrir o bico. Cantor não fala, só vai lá, canta e vai embora. O fato de ficarmos mais opinativos é fascinante.

iG: Você expõe críticas na internet. Sente falta de mais artistas assim?
Guilherme Arantes:  Sou muito grato às coisas que conseguimos, não sou insatisfeito. A insatistacao é em relação ao País, que temos de construir. Temos de deixar menos espaço para os biógrafos falarem da gente e nós mesmos metermos a mão na massa e interagir. Tem que tomar muito cuidado com o que se posta, as coisas tem de ser maturadas. Acho que isso falta na rede, as pessoas têm pressa de publicar logo. Eu conto muito (nos posts) sobre a peculiaridade do lado artístico e como é por dentro, o mercado da fama, mas não é pegando pesado.

iG: Você é a favor de músicas com download grátis na internet?
Guilherme Arantes: Sou favorável ao compartilhamento, porque as músicas se espalham e todo mundo conhece rapidamente. O sistema antigo era só para quem comprava (disco), era 'encabrestado'. Hoje essa liberdade tem muitas desvantagens em termos de vendas, mas por outro lado o alcance é muito grande.

iG: Você se importaria se escrevessem uma biografia sobre você?
Guilherme Arantes: Não, porque ela replicaria muitas das coisas que eu mesmo venho publicando. É óbvio que os biógrafos vão fuçar mais o lado desconfortável da vida, mas não me importo, não tenho tanto para me arrepender. Vivi de uma forma transparente e isso me coloca em uma vantagem, porque não tenho tanta coisa a ocultar.

iG: Qual dos seus discos o deixa mais orgulhoso?
Guilherme Arantes: O meu primeiro disco lançado pela Som Livre, que tem a faixa "Meu Mundo e Nada Mais" (1976). O disco "Romances Modernos" (1989) e esse novo, que eu acho que foi, de lavada, o melhor resultado de opinião das pessoas e da imprensa.

iG: Ele reflete os seus 60 anos de idade?
Guilherme Arantes: É um ciclo de chegar a ser avô, ter meus filhos na faixa dos 30. É uma parte inesquecível da minha vida, porque eu realmente me consolidei. Assim que me sinto hoje, um cara bem mais consolidado.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.