Tamanho do texto

Em vídeo, ator comenta impacto de cenas de terrorismo após os atentados de Boston e não descarta quarto filme

Em "Homem de Ferro 3" , que estreia no Brasil nesta sexta-feira (26), o ator-americano Don Cheadle volta a interpretar o coronel James Rhodes e a vestir a armadura da Máquina de Combate para encontrar o líder de uma organização terrorista responsável por sequestros, execuções e explosões em locais públicos.

Leia também: Com herói mais maduro, "Homem de Ferro 3" é o melhor filme da série

O assunto pode ser especialmente espinhoso nos Estados Unidos, onde o filme estreia em 3 de maio, por causa do ataque durante a maratona de Boston , que deixou três mortos e mais de 200 feridos na semana passada. Cheadle, porém, não acredita que o público deixará de ver o longa por causa da tragédia.

"O primeiro filme começa nos desertos do Afeganistão e do Iraque, então 'Homem de Ferro' nunca foi tímido ao usar coisas que estão acontecendo no mundo", afirma, em entrevista ao iG . "Não acho que temos de esfregar nossa arte para que se torne antisséptica. (O terrorismo) está acontecendo ao nosso redor e pode ser parte da experiência também."

Veja a entrevista de Don Cheadle ao iG:

Gwyneth Paltrow ao iG: "Pepper está mais forte e poderosa em 'Homem de Ferro 3'"

"Homem de Ferro 3" marca a segunda participação de Cheadle na franquia da Marvel (no primeiro filme, o papel foi de Terrence Howard) que já faturou mais de US$ 1,2 bilhão (R$ 2,4 bilhões) pelo mundo.

Para o ator, o sucesso das produções inspiradas em quadrinhos se deve ao fato de os longas serem "espetaculares". "Há algo para todo mundo. Os filmes são muito engraçados e o visual é incrível", afirma.

Desta vez, tanto Rhodes quando Tony Stark, o bilionário interpretado por Robert Downey Jr., passam bastante tempo fora da armadura, tendo de contar com sua própria inteligência e talento para combater o líder terrorista Mandarin (Ben Kingsley), bem como o cientista Aldrich Killian (Guy Pearce), fundador de uma organização privada que desenvolve o vírus Extremis, capaz de dar força e resistência incomuns aos humanos.

Cheadle gostou de poder explorar o lado vulnerável de Rhodey. "Acho que meu personagem está até mais em seu elemento quando está fora da armadura, pois pode aproveitar seu treinamento militar. Foi divertido trabalhar com a equipe de dublês", conta.

Embora circulem rumores de que Downey Jr. não estaria disposto a repetir o papel de Tony Stark, Cheadle não descarta a possibilidade de um quarto longa.

"É claro que sempre depende de como o filme se sai (nas bilheterias) e do que as pessoas querem. Se vocês fizerem barulho o suficiente, talvez possam fazer a Marvel pensar em uma forma de repaginar a franquia."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.