Chefe de polícia
Reprodução Twitter @DaviePolicie
Chefe de policia renuncia


Renunciou o chefe de polícia do sul da Flórida que tinha sido  criticado por dizer que um oficial do 'xerife' de Broward teria morrido de COVID-19 porque ele era um "homem gay que participou de eventos gays". Ele enviou sua carta de demissão na segunda-feira.



Em sua carta, o chefe de polícia de Davie, Dale Engle, disse que seu último dia no departamento de polícia será em 3 de setembro.


“Dizer que tive o privilégio de servir orgulhosamente esse povo é um eufemismo. Agradeço as duas últimas décadas de experiências de vida e trabalho que ajudaram a definir meu caráter, propósito de vida e finalmente me fizeram quem eu sou hoje ”, disse Engle.

Em abril, a Ordem da Polícia Fraterna do Florida State Lodge solicitou uma investigação sobre Engle depois que os membros disseram que o chefe havia feito comentários ofensivos, desencorajando os policiais de manifestarem preocupações sobre o protocolo de coronavírus.

O sindicato da polícia disse que Engle participou de uma reunião em que "menosprezou" os membros.

Depois de ordenar que os funcionários se alinhem no estacionamento do departamento, Engle continuou a "repreender" os membros.

Foi então que a Ordem da Polícia Fraterna alegou que Engle mencionou que a morte do oficial de Broward, Shannon Bennett, foi porque ele era gay.

Bennet, 39, era um oficial veterano de 12 anos que morreu no início de março de coronavírus.


Engle foi suspenso durante a investigação depois que as alegações foram tornadas públicas. O gestor da cidade de Davie, Philip Holste, declarou que a investigação ainda está em andamento e não forneceu mais detalhes.

    Veja Também

      Mostrar mais