Waldeck Carneiro, presidente da Comissão de Ciência e Tecnologia
Reprodução
Waldeck Carneiro, presidente da Comissão de Ciência e Tecnologia

A Fundação Centro Universitário Estadual da Zona Oeste (Uezo) esteve no centro de um debate promovido ontem (25) na  Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro pelas Comissões de Ciência e Tecnologia, presidida pelo deputado estadual Waldeck Carneiro (PT), e de Educação, presidida pelo deputado estadual Flávio Serafini (PSOL). Com pouco mais de 15 anos de existência, a instituição enfrenta graves problemas.

"Um deles é seu campus próprio. Já está encaminhado, pela Alerj, uma solução, pois é uma condição para que a instituição seja credenciada pelo Conselho Estadual de Educação como universidade”, explicou Waldeck.

"A desapropriação de uma área em Campo Grande para ser a nova sede da Uezo. São as antigas dependências do Centro Universitário Moacyr Bastos, próximo à estação ferroviária de Campo Grande. Cobramos do subsecretário Edgard Leite (de Ensino Superior, Pesquisa e Inovação) sobre o processo de desapropriação, que já está avançado. Inclusive, contará com participação financeira da Alerj, conforme compromisso já assumido e divulgado pelo presidente André Ceciliano", completou o deputado.

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS

Outro entrave para o bom funcionamento da Uezo está na questão do plano de cargos e salários. "Os professores da instituição vivem em condições adversas, se comparados aos corpos docentes da Uenf e da Uerj. Além disso, não possui um quadro de servidores técnico-administrativos. A progressão na carreira, através de titulação e tempo de serviço, também precisa ser assegurada nos marcos deste Plano de Cargos", explicou Waldeck.

"No que depende da Uezo, o trabalho de ensino, pesquisa e extensão não tem problema. Agora, o governo estadual precisa resolver a parte que cabe a ele, que é garantir o campus da Uezo e o plano de cargos", disse o deputado.

Você viu?

Vítimas de violência doméstica

Projeto de lei da deputada estadual Tia Ju (Republicanos) que será discutido hoje (26) na Alerj quer dar prioridade de inclusão da mulher vítima de violência doméstica e familiar nos programas de geração de emprego e renda gerenciados e/ou financiados pelos governos estadual e/ou federal. "O acesso prioritário a tais projetos representa a salvaguarda para mulheres", justifica.

Mais negros e mulheres no futebol

Projeto de lei do deputado Noel de Carvalho (PSDB) determina que os clubes de futebol do estado do Rio de Janeiro tenham pelo menos 30% de negros e mulheres em seus quadros de dirigentes e no corpo técnico. Projeto engloba times das séries A, A2, B1 e B2 da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj).

Redução de custos

O município de Tanguá, na região metropolitana do Rio de Janeiro, vai usar a tecnologia para economizar mais de R$ 500 mil. A prefeitura vai lançar o Diário Oficial Eletrônico do município reduzindo por ano cerca de R$ 508 mil em custos, considerando os gastos dos anos anteriores.


Incentivo para artistas

Nem todo mundo está ligado. A Lei Municipal de Incentivo à Cultura - Lei do ISS destinou parte dos patrocínios feitos pelas empresas a projetos de produtores culturais sediados nas zonas Oeste e Norte da cidade, com exceção da Barra da Tijuca. "A mudança é para impulsionar a retomada do setor cultural e corrigir a concentração de recursos em determinadas regiões e territórios do Rio", explica o secretário municipal de Cultura, Marcus Faustini.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários