Crusoé

Coalizão de 83 países combaterá Estado Islâmico na África
O Antagonista
Coalizão de 83 países combaterá Estado Islâmico na África

Ministros de 83 países reuniram-se pessoalmente em Roma nesta segunda, 28, a convite do secretário de estado americano, Antony Blinken , e do ministro de Relações Exteriores da Itália, Luigi di Maio (foto).

Eles formam parte da coalizão que foi formada pelo ex-presidente americano Barack Obama, em 2014, para lutar contra o grupo terrorista Estado Islâmico no Iraque e na Síria. A partir de agora, a coalizão passará a atuar também na África.

Além das ações para coibir a presença dos terroristas nas redes sociais e impedir o financiamento do grupo, a coalizão promete dar apoio para estabilizar áreas que estavam sob controle do Estado Islâmico e foram reconquistadas pelas forças locais.

Você viu?

Derrotados militarmente no Iraque e na Síria em 2019, o Estado Islâmico expandiu sua presença em nações da África , um continente de fronteiras porosas, governos pobres e forças de seguranças fracas.

"O Estado Islâmico perdeu o controle de um território e quase 8 milhões de pessoas foram libertadas de seu controle no Iraque e na Síria , mas a ameaça persiste. A retomada das atividades do Estado Islâmico e sua capacidade de reconstruir suas redes e de atacar as forças de segurança e civis em áreas onde a coalizão não está ativa requer forte vigilância e ação coordenada", diz o comunicado da coalizão.


No anúncio desta segunda, quatro países juntaram-se ao antigo grupo: a República Central Africana, a República Democrática do Congo, a Mauritânia e o Iêmen.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários