Onda de calor na Europa quebra recorde na redução dos gelos árticos

Caso calor se repita nos próximos anos, o derretimento dos gelos perpétuos que ocupam 69% do território russo, aumentará

EFE | 20/07/2010 16:06

Compartilhar:

Foto: © AP Ampliar

Clima de praia em Moscou, degelo no Ártico

A atual onda de calor que castiga a Europa está batendo recordes históricos na redução da superfície congelada no Ártico, informou o serviço federal de hidrometeorologia e monitoramento ambiental russo (SFHMR) nesta terça-feira. "Em junho foi marcado um recorde de degelo. Se o calor continuar - e isto é o que dizem as previsões -, em agosto, teremos um mínimo histórico da superfície de gelos marítimos no Ártico", afirmou o chefe do SFHMR, Alexandr Frolov.

Uma situação parecida foi observada em 2007, quando a superfície dos gelos árticos no fim do verão foi reduzido a 4,4 milhões de quilômetros quadrados, frente ao volume habitual de 8 milhões no verão e de 11 milhões no inverno.

Dentre as consequências negativas, Frolov destaca o aumento do nível de água nos oceanos, que causar inundações de ilhas e territórios litorâneos, assim como a destruição de ecossistemas e o desaparecimento de várias espécies de peixes e outros animais. Mesmo assim, o chefe do SFHMR declarou que, por enquanto, não há razões para se fazer "previsões catastróficos relacionadas ao aquecimento global", segundo a agência oficial russa "Itar-Tass".

"A atual onda de calor não confirma nem desmente a teoria do aquecimento climático", falou o especialista, que esclareceu que, para se fazer conclusões neste campo, são necessárias observações durante, pelo menos, 30 anos. Enquanto isso, a imprensa afirma que a onda de calor vivida na Rússia pode se repetir nos próximos anos, como indicam as previsões, e que isso pode aumentar o derretimento dos gelos perpétuos, que ocupam 69 % do território russo.

Segundo o jornal "Moskovski komsomolets", o permafrost da zona siberiana do rio Yenisei, que possui uma espessura média de 10 metros, já derreteu 3,5 metros neste ano, meio metro a mais que o máximo habitualmente registrado nos finais de verão. Na cidade de Igarka, ao norte do círculo polar ártico, onde os prédios são construídos sobre pilares de concreto, várias casas começaram a apresentar fendas perigosas, obrigando os moradores a abandonar o local, diz a mesma fonte. A estação científica que monitora o estado das geleiras também foi afetado por este problema, já que o afundamento do terreno criou rachaduras nas paredes do prédio.

    Notícias Relacionadas



    Previsão do Tempo

    CLIMATEMPO

    Previsão Completa

    • Hoje
    • Amanhã
    Ver de novo