Tamanho do texto

Pesquisadores brasileiros afirmam que redução da camada de ozônio sobre a Antártida diminui temperatura na região

selo

Antártida: choque entre a temperatura fria do centro do continente e médias quentes do entorno é decisivo para gerar ventos e manter a região central gelada
Getty Image
Antártida: choque entre a temperatura fria do centro do continente e médias quentes do entorno é decisivo para gerar ventos e manter a região central gelada
Enquanto o entorno da Antártida segue a tendência de aquecimento observada em quase todo o planeta, o centro continua frio, conforme imagens de satélite da Nasa desde a década de 1970. E o gelo, em vez de derreter, está se expandindo.

Aparentemente, o choque entre a temperatura fria do centro e as médias quentes do entorno é decisivo para gerar ventos e manter a região central gelada.

É o que pensam pesquisadores brasileiros, em busca de respostas para fenômenos climáticos na Antártida. Eles afirmam que a diminuição da camada de ozônio sobre o continente ajuda a manter a temperatura fria na região central e sustentam que o frio causado pela ausência do gás contribui para aumentar os ventos ao redor da Antártida e isolar termicamente a região.

Leia mais:
Brasileiros viajam ao Polo Sul para estudar evolução do clima
Buraco da camada de ozônio altera padrão de chuva nos trópicos
Gelo antártido aumenta apesar do aquecimento global
Buraco da camada de ozônio se manteve estável nos últimos 10 anos
O que aconteceu com o buraco de ozônio?
Como ocorre o aquecimento global?

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.