Excesso de dióxido de carbono por poluição está derretendo criaturas marinhas

Estudo detectou fenômeno apelidado de “gêmeo maligno do aquecimento global”, responsável por dissolução de rede de algas, peixes e estrelas do mar
Foto: Reprodução/Universidade de Glasgow
“Gêmeo maligno do aquecimento global” está destruindo criaturas marinhas, como algas coralline e estrelas do mar

Diferentes criaturas marinhas estão sendo mortas e dissolvidas pela poluição, segundo novo estudo realizado por cientistas. De acordo com estudo da Universidade Heriot-Watt e Universidade de Glasgow, os altos níveis de dióxido de carbono na água têm causado danos irreparáveis ao ecossistema marinho, uma vez que, literalmente, estão derretendo estrelas do mar e outros tipos de vida dos oceanos.

Leia também: Abelhas 'alienígenas' podem estar causando extinção de plantas no Egito; entenda

O experimento ocorreu em Loch Sween, na costa Oeste da Escócia, onde os estudiosos passaram quatro dias medindo a resposta das águas à exposição a curto prazo ao dióxido de carbono. Com o procedimento, foi identificada uma acidez fora do normal no oceano, devido a um fenômeno apelidado de “gêmeo maligno do aquecimento global”, o que está destruindo a rede de organismos calcificados e criaturas marinhas , como algas coralline e estrelas do mar.

"Detectamos uma mudança rápida e de nível comunitário em relação à dissolução da rede, é como uma forte inundação de dióxido de carbono. Depois de coletarmos material para análises, também descobrimos que a recuperação/purificação da água é extremamente lenta, o que nos preocupa por conta da frequência que o fenômeno está ocorrendo. Não se sabe se outras redes conseguiram se recuperar de diversos eventos como esse”, afirmou o pesquisador da Universidade Heriot-Watt, Heidi Burdett, ao jornal Metro .

Leia também: Monumento de 5 mil anos é encontrado e revela arena de rituais na Inglaterra

Ecossistemas e medidas

A pesquisa mostrou que os ecossistemas de algas coralline, também conhecidas como algas calcárias ou crostosas, podem ser encontrados em todos os oceanos costeiros do mundo e são particularmente comuns na região oeste da Escócia. Segundo Burdett, a destruição dessa rede em específico não foi uma surpresa, por ser altamente calcificada e consequentemente sensível ao dióxido de carbono.

Com valores ecológico e econômico significativos, na Escócia, esses ecossistemas costumam ser utilizados como viveiros para captura de peixes vendidos a custo elevado, o que, para a equipe de estudiosos, é mais um motivo para que autoridades ambientais se mobilizem.

Leia também: Cientistas acham "cratera espermatozoide", que pode ser prova de água em Marte

"Caso uma autoridade local ou agência governamental esteja escolhendo uma nova localização para o cultivo de peixes e outras criaturas marinhas, é importante que sejam cautelosos e que pensem nesses ecossistemas como um todo, e não em um grupo específico. É fundamentar pensar como o coletivo pode ser afetado com tal mudança para que os danos não sejam ainda maiores”, concluiu.

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/ciencia/meioambiente/2018-02-19/criaturas-marinhas-poluicao.html