Nasa desvenda mistérios sobre o turbulento interior de Júpiter e seus 'ciclones'

Novos registros da nave espacial Juno mostram que as bandas de Júpiter, ocasionadas por correntes de ar cinco vezes mais fortes que os furacões, se estendem a uma profundidade de três mil quilômetros; entenda
Foto: Reprodução/Nasa
Nasa expõe que Júpiter é composto por mistura de hidrogênio e hélio, e possui 96% do núcleo permeado por 'ciclones'

A Agência Espacial Americana (Nasa) revelou, em detalhes, como é o interior de Júpiter , considerado o maior planeta do Sistema Solar. O mistério foi desvendado com a ajuda da nave espacial Juno, que confirmou que o centro do planeta é tão turbulento e exótico quanto sua superfície. Os registros foram publicados em quatro artigos na revista Nature , com análises sobre o campo gravitacional do corpo celeste.

Leia também: Mulheres cientistas: saiba quem são as brasileiras que fazem a ciência acontecer

Apesar de muitos estudos sobre a superfície de Júpiter e a "grande mancha vermelha", até agora havia uma gama restrita de informações sobre o interior do planeta. De acordo com a Nasa , as novas descobertas, baseadas em medidas gravitacionais de alta precisão, evidenciaram que as bandas listradas de Júpiter, causadas por ventos muito poderosos, se estendem a uma profundidade de cerca de três mil quilômetros abaixo de sua parte mais visível.

Os novos dados ainda mostraram que o corpo celeste composto por uma mistura densa de hidrogênio e hélio possui 96% do núcleo permeado por um agrupamento de pequenos corpos sólidos que se comportam como ciclones.

Além disso, traçando um parâmetro que explora o planeta de fora para dentro, encontra-se incialmente uma camada com 99% de hidrogênio e hélio, juntamente a resquícios de metano e amônia. Devido à densidade encontrada na superfície, o gás torna-se tão espesso que o hidrogênio sofre um processo de ionização, transformando-se em um gás metálico com densidade semelhante a da água.

Leia também: Pesquisadores descobrem raro fóssil de filhote de pássaro de 127 milhões de anos

"Pode haver um núcleo duro [sólido] muito profundo, mas acreditamos que seja somente gás enriquecido em elementos pesados. Não é sólido como se imagina, na verdade, o conceito mais conhecido acerca de gases líquidos e sólidos não se aplica diante das pressões encontradas”, expôs o cientista e autor da pesquisa Yohai Kaspi ao The Guardian .

Mais descobertas

Outra questão que os cientistas tentavam descobrir há anos é se as bandas de Júpiter, ocasionadas por correntes de ar cinco vezes mais fortes que os furacões mais poderosos do planeta Terra, eram fenômenos do “tempo” comparáveis aos fluxos de jato terrestres ou parte de um sistema de tranferência de calor enraizado. 

Segundo as projeções do Juno, a última opção é a mais viável, uma vez que os jatos continuaram abaixo da superfície devido às ondulações e assimetrias do campo gravitacional do planeta, que puderam ser identificados pela nave.

"Esse era um questionamento de mais de 50 anos. Finalmente, descobrimos a resposta graças aos registros do Juno. Estamos bem satisfeitos com todos os dados coletados”, afirmou o pesquisador da Universidade da Côte d'Azur e autor de dois dos artigos, Tristan Guillot.

Leia também: O que existia antes do Big Bang? Stephen Hawking diz ter desvendado mistério

Vale mencionar que ainda não é certo se essas descobertas também se aplicam à famosa "mancha vermelha", tempestade que está visível na superfície de Júpiter há séculos, e que por isso, uma nova missão deve ser executada em busca de respostas sobre a profundidade de suas ‘raízes’. Atualmente, a Nasa está decidindo se deve estender a missão Juno com prazo final para julho, período em que os superintendes do estudo enviarão uma nova embarcação para uma viagem na atmosfera do planeta gigante.

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/ciencia/2018-03-08/nasa-revela-nucleo-de-jupiter.html