Mulheres cientistas: saiba quem são as brasileiras que fazem a ciência acontecer

No Dia Internacional da Mulher, o iG entrevistou mulheres das áreas biológicas e exatas que pesquisam e atuam no cenário científico brasileiro
Foto: Juliana Adlyn/Cientistas Feministas
Coletivo Cientistas Feministas produz conteúdo cientifico de qualidade criado apenas por mulheres na ciência


Marie Curie, Ada Lovelace, Rosalind Franklin, Nise da Silveira e Graziela Maciel Barroso: no Brasil e no mundo, a história está repleta de mulheres na ciência que deixaram sua marca e romperam barreiras nas áreas de exatas e biológicas, por mais que estas ainda sejam vistas como “masculinas”. Seja ao ganhar o Prêmio Nobel duas vezes por suas pesquisas sobre radioatividade, como Curie, ou por ser a maior catalogadora de plantas do Brasil, como Barroso, as mulheres sempre estiveram presentes na produção científica mundial.

Leia também: Está comprovado: mulheres pensam mais do que os homens, diz estudo

E hoje? Onde estão as mulheres na ciência ? Quem são as mulheres que comandam equipes de pesquisa, criam projetos, e ganham prêmios mundo afora? Conheça algumas dessas cientistas que ocumpam esses espaços e fazem a ciência acontecer, atualmente, no Brasil.

Ligia Moreiras Sena: mãe e cientista

A paulista Ligia Moreiras Sena, fundadora do site “Cientista Que Virou Mãe” , queria ser engenheira aeronáutica. Aos 15 anos, suas aspirações profissionais incluíam uma graduação no ITA, Instituto Tecnológico de Aeronáutica. Mas, na época, o instituto não aceitava mulheres.

“Esse foi o primeiro impacto que eu, como menina, encontrei a respeito de ser cientista ”, disse a bióloga, hoje doutora em Ciências e em Saúde Coletiva pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). “ Embora eu não identificasse isso como entendo hoje, ou seja, como uma consequência do machismo estrutural e do patriarcado da sociedade, já foi um grande impacto para mim naquele momento”.

Com o desejo de ser cientista desde a adolescência, ela mudou seus planos e se formou em Biologia pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). Sua atuação nas ciências biológicas começou com pesquisas sobre neurociência e neurofarmacologia, área a qual dedicou suas produções tanto no mestrado em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP) quanto em seu primeiro doutorado, também em Ciências, pela UFSC. Mas tudo mudou quando Sena engravidou de Clara, hoje com sete anos de idade.

“Eu era uma mulher que não tinha a maternidade como plano, como uma meta. Eu não pensava em ser mãe, eu pensava em ser cientista, e as coisas para mim eram bastante separadas”, explicou.

Tal distinção, porém, foi aos poucos se dissolvendo: o nascimento da filha não foi uma mudança apenas na vida pessoal da paulista, que declara "que tem sido uma grande alegria ser mãe", mas também em sua carreira científica.

Doutorado em Saúde Coletiva

“Assim que minha filha nasceu, eu abandonei 15 anos de pesquisa na área de neurociência e neurofarmacologia porque comecei a identificar muitas das dificuldades que as mulheres passavam a viver apenas porque se tornavam mães”, conta. E foi a partir daí que Sena iniciou seu segundo doutorado, também na UFSC, mas desta vez com uma pesquisa sobre a violência obstétrica.

Ela conta que a existência das práticas chamou sua atenção. “Isso me pareceu tão desumano, uma violação tão brutal de direitos, que eu simplesmente não consegui continuar a minha carreira e resolvi destinar meus esforços como cientistas para pesquisar a questão da violência obstétrica no Brasil”.

Hoje, sua atuação está diretamente ligada ao doutorado em Saúde Pública – cuja tese discorre sobre o impacto da violência obstétrica sobre as mulheres brasileiras – , principalmente quanto ao direito das mulheres e crianças e o empoderamento feminino por meio da maternidade.

Cenário da mulher na ciência brasileira

Além disso, o tempo como doutoranda e a nova área de pesquisa também evidenciaram muitos dos problemas de gênero ainda presentes na ciência, principalmente com os estereótipos atribuídos às áreas biológicas e exatas.

A mais recente experiência de Sena, porém, não foi a primeira envolvendo desigualdade de gênero na área científica por que ela passou. Ainda em suas pesquisas sobre neurociência e neurofarmacologia , ela revelou ter passado por situações preconceituosas e identificado problemas estruturais na ciência brasileira, alguns deles cujas possíveis explicações passaram a fazer sentido após ter se tornado mãe.

“Embora a gente tenha inúmeras excelentes cientistas aqui no Brasil, reconhecidas internacionalmente, ainda é um meio extremamente machista”, pontuou. “Se fizermos um levantamento, conseguiremos ver uma grande discrepância das mulheres em papéis de liderança na ciência. Estamos quase em pé de igualdade na graduação, mas a proporção diminui conforme aumenta o grau de titularidade”.

Dentre as inúmeras explicações para o desequilíbrio de gênero na área, Sena apontou a forma como a maternidade é vista no Brasil. “A sociedade vê as mulheres mães como as únicas responsáveis pelas crianças, e isso é cruel, desumano e irresponsável”, explicou. Dessa forma, a mulher  acumula tarefas domésticas e relacionadas ao cuidado com as crianças, algo que não acontece com os homens.

“A gente vive hoje uma ciência muito produtivista aqui no Brasil. Tem que publicar, publicar, publicar. Então a nossa jornada de trabalho não é apenas as oito horas diárias, na grande maioria das vezes, você tem que chegar em casa e escrever artigo, preparar aulas, cuidar do trabalho de orientandos, e isso exige muito”, descreveu Sena.

Quando se é mulher e mãe, entretanto, a situação muda. De acordo com a paulista, cientistas mães precisam cuidar da vida de seus filhos, e por isso, parte de suas carreiras fica prejudicada. “Talvez esteja aí uma das explicações para o fato de nós termos menos mulheres em cargos de chefia e liderança na ciência no Brasil, embora tenhamos maravilhosas cientistas mulheres”.

“Meu primeiro doutorado foi feito completamente livre, leve e solta, eu não tinha filhos e não era casada. O meu segundo doutorado foi feito com uma criança no colo, então eu sei exatamente a diferença das duas situações”, assinalou.

Denise Alves Fungaro: pesquisadora premiada na área da Química Ambiental

Ganhadora de sete prêmios por sua pesquisa sobre a transformação dos resíduos de carvão gerados por termelétricas, a química Denise Alves Fungaro é formada pela Universidade de São Paulo (USP), com mestrado e doutorado em Química Analítica pela mesma instituição e pós-doutorado em Eletroquímica aplicada ao meio ambiente pela Universidade de Coimbra, em Portugal.

A pesquisadora do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN-CNEN/SP) tem uma longa história com a área científica: desde criança, a química e seus experimentos sempre chamaram a sua atenção. O interesse, sempre apoiado pelos seus pais, foi o primeiro passo para uma carreira de sucesso, que já lhe rendeu diversos prêmios no campo da Química Ambiental.

Durante sua graduação, na década de 1980, a classe de química era diferente das outras turmas de exatas, como em física ou matemática: “metade da classe era de mulheres, ou seja, havia um equilíbrio de gênero e essa questão passou despercebida”, relembrou.

Fungaro também afirmou não ter sofrido preconceito, em sua área de pesquisa e atuação, por ser mulher, porém, percebe que há estereótipos na sociedade que contribuem para que ainda haja desigualdade de gênero na ciência.

“A desvalorização vem do pensamento de que as pessoas que atuam na área de exatas precisam ser mais inteligentes do que em outras atividades, e de que os homens são mais inteligentes do que as mulheres”, explicou.

Contudo, a pesquisadora destacou a grande presença feminina na área acadêmica química e explicou que a forma de contratação de profissionais em universidades, por meio de concursos, é democrática. “Há avaliação de currículo, prova de conhecimento e prova didática para docentes, todas as etapas com nota. Isso faz com que não haja possibilidade de avaliação subjetiva da banca examinadora”.

O mesmo acontece nas premiações, onde a avaliação é baseada na qualidade do material apresentado. “No entanto, pode haver obstáculos para as mulheres em relação aos cargos de chefia”, explicou.

“Sendo uma pesquisadora com uma carreira de sucesso e destaque na área de química, demonstro que as barreiras enfrentadas pelas mulheres, afetadas por possíveis vieses inconscientes, podem ser superadas”, declarou. “Ainda mais importante, posso ser um referencial feminino para que as jovens que desejam ser cientistas se sintam estimuladas a seguir esse tipo de carreira dando o meu testemunho”.

Além disso, a química também assinalou que a diversidade na ciência é necessária para “resolver os problemas complexos atuais relacionados à energia, água e meio ambiente, em geral, em um ambiente colaborativo”.

Tânia Vertemati Secches: uma das primeiras geneticistas do Brasil

A médica pediatra e geneticista Tânia Vertemati Secches, nascida em 1955, é uma das primeiras especialistas em Genética Médica do Brasil. Ela se especializou em pediatria e, depois de anos de atuação, migrou para a área da genética, ainda muito nova no País. Ela já atuou em pesquisa clínica, ensino e clínica em diversas instituições, como a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), e foi professora no curso de Medicina da Faculdade de Medicina de Itajubá (FMIt).

Vertemati explicou que a sua escolha pela faculdade de medicina aconteceu de forma inspiracional: o pediatra que a acompanhou durante toda a infância foi o principal responsável pela opção, que, segundo a especialista, pode se tornar realidade a partir de um conjunto de fatores.

“Meus pais sempre acreditaram muito em mim, e minha mãe, embora não tenha formação universitária, sempre foi uma mulher de vanguarda, vislumbrando um futuro diferente para mim, um caminho distinto do que era esperado para as mulheres da minha família”, explicou.

O apoio, entretanto, não veio só da família, mas também da comunidade científica da qual faz parte. Como optou por priorizar a família durante um período de sua vida, e acredita que, para as mulheres, conciliar a vida profissional e pessoal ainda é um desafio, o apoio e incentivo foram essenciais para voltar, após alguns anos, à atuação médica.

Em 2002, a médica já estava ligada ao mundo da genética – contato iniciado em 1985, durante o início de um mestrado após o fim da residência pediátrica – e decidiu realizar a nova especialização.

“Meus mestres foram pessoas que, independente do gênero , me inspiraram a ser quem sou e, apesar de todas as dificuldades de que temos notícias, hoje me sinto capaz de lutar por meu espaço em condições de igualdade”.

“Como em minha área de atuação a idade não é vista como limitação, pude retornar depois que minhas filhas cresceram”, contou. Sua área, inclusive, encaixa-se em uma situação incomum no país: no estado de São Paulo, as mulheres são a maioria com títulos de especialista.

Quanto ao cenário geral das mulheres na ciência e na medicina, Vertemati acredita que a atuação feminina apresenta o diferencial de conseguir associar, de forma simultânea e com facilidade, diversas tarefas. “Talvez porque, historicamente, tenhamos precisado desempenhado mais funções”, explica.

Entretanto, como a área exige de seus profissionais muitas especializações, atualizações e comprometimento, a geneticista enxerga a desigualdade de gênero como um resultado da disposição cultural dos gêneros na sociedade.

“Como, muitas vezes, a mulher ainda é a responsável por cuidar do dia-a-dia da vida familiar, pode ser difícil conciliar a profissão com os afazeres da maternidade, por exemplo. Em um mundo com mais equidade e distribuição de tarefas entre homens e mulheres, possivelmente essa questão poderia ser melhor equacionada”.

Atualmente, a especialista trabalha com atendimento clínico de forma integral. Atua majoritariamente na área genética , como genética oncológica, reprodutiva, erros inatos do metabolismo, dismorfologia e farmacogenética, apesar de ainda atender alguns casos pediátricos.

Leia também: Brasil tem a quinta maior taxa de feminicídios do mundo, aponta OMS

Beatriz Bonamichi e Viviane Rezende: pesquisa clínica também é lugar de mulher

Para Beatriz Bonamichi, de 33 anos, escolher a área da saúde em que iria atuar nunca foi um problema. Segundo ela, o percurso durante a faculdade não parecia desigual entre homens e mulheres. Porém, ao dar seus primeiros passos em direção à carreira acadêmica, foi possível sentir a diferença de gênero pela primeira vez.

“Percebi que parece existir uma predileção para o gênero masculino nessa área. Foi mais difícil, mas eu queria muito seguir no mundo acadêmico e por isso fiz o doutorado ”, contou ela, que realizou parte da especialização em Endocrinologia na Joslin Diabetes Center - Harvard Medical School, em Boston, nos Estados Unidos.

Mesmo com tanta determinação, Bonamichi percebeu no doutorado que queria trabalhar na área de pesquisa clínica . “Eu queria seguir carreira acadêmica, mas quando fui pra fora conheci mais sobre pesquisa relacionada à indústria farmacêutica e decidi mudar os planos”, contou.

Ao voltar para o Brasil, ela foi em busca de um emprego que satisfizesse seus anseios pela nova área de atuação. “Sinto que meu trabalho faz a diferença na vida das pessoas que passam a ter acesso a um tratamento que poderia demorar anos até chegar a esses pacientes. É por isso que eu escolhi a área de pesquisa clínica”, disse Bonamichi, que hoje é gerente médica da área na farmacêutica Sanofi.

Quando se trabalha pelo que acredita, barreiras podem ser ignoradas e oportunidades podem ser criadas. Para a endocrinologista, que dá suporte médico e científico para vários projetos de âmbito nacional e global nas áreas de oncologia, diabetes e pneumológica, foi na pesquisa clínica que ela encontrou espaço para crescer e se impor como mulher e profissional.

“Hoje consigo ver muitas mulheres ocupando cargos importantes nesse setor. Nunca imaginei que a área fosse tão acolhedora para nós. Por isso, eu acredito que há espaço para o crescimento feminino dentro desse nicho e bato nessa tecla para que mais mulheres saibam disso, porque antes eu também não sabia”, ressaltou ela, que também foi sub-investigadora em estudos relacionados a Diabetes e Doença Cardiovascular no Instituto de Pesquisa Clínica (IPEC).

Quem também partilha do mesmo pensamento é a gerente de operações clínicas da Unidade de Pesquisa Clínica da Sanofi, Viviane Rezende, de 39 anos. Há quase 10 anos na mesma empresa, a carioca é formada em Farmácia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e técnica em biotecnologia pela Escola Técnica Federal Química do Rio de Janeiro.

As duas contam que cerca de 80% do departamento de pesquisa clínica da farmacêutica é formado por mulheres que atuam em funções importantes. O setor envolve pesquisas científicas em humanos para avaliar a segurança e eficácia de um procedimento ou medicamento em teste por meio da coleta de dados.

Foto: Arquivo pessoal
Viviane Rezende tem três filhas e concilia o trabalho como gerente de operações clínicas com a maternidade

Filha de pais matemáticos, a escolha pela carreira científica nunca foi um problema para Rezende. “Comecei por acaso na pesquisa clínica, quando precisavam de uma pessoa para organizar arquivos em um antigo estágio. Lá eu tive acesso à informações que me interessavam até que passei a ir atrás do assunto mais a fundo”.

Ela conta que a pesquisa clínica não é muito abordada na faculdade, mas que desde que entrou para esse mundo nunca mais quis sair. Na empresa atual, Rezende já passou pela área de pesquisa clínica em doenças raras e, atualmente, coordena, no País, os estudos internacionais da empresa com moléculas inovadoras.

Mãe de três filhas, duas gêmeas de 4 anos, e uma de 9 anos, a farmacêutica coloca características como maturidade, planejamento, empoderamento e jogo de cintura como as principais influenciadoras para que mulheres sejam bem aceitas nesse setor da ciência. “Acho que o lidar com pessoas e pesquisas, poder fazer uma equipe funcionar bem são funções bem exercidas por mulheres. Quando se é mulher, você aprende a lidar com momentos difíceis, e é por isso que somos boas no que fazemos”, finaliza.

Cientistas feministas: ‘mulheres que podem e fazem ciência de qualidade’

Sim, as mulheres estão por dentro do mundo científico . Se você leu essa matéria até aqui, já deve ter entendido que há muitas de nós realizando trabalhos inovadores e valiosos seja na área de exatas, humanas ou biológicas.

Porém, muitas vezes, o trabalho e o prestígio de uma cientista acaba restrito a uma comunidade específica. Pensando em democratizar esse conhecimento de uma forma inclusiva, a partir de uma linguagem acessível, a bióloga Carolina Biachini resolveu criar, em 2015, um blog onde outras mulheres pudessem se unir para difusão desse tipo de conteúdo. E assim nasceu o “ Cientistas Feministas ”.

Para dar vida ao projeto, Bianchi se uniu com outras mulheres feministas que cursam ou já cursaram pós-graduação. Todas são ativistas no âmbito acadêmico e atuam em diferentes áreas do conhecimento.

“A internet é um instrumento que possibilita uma boa difusão da informação. Buscamos falar de assuntos relevantes para a sociedade como um todo, mas especialmente de temas que se relacionam ao feminismo e mulheres de maneira geral”, explicaram Mariana Armond Dias Paes, Laís Vignati, Mariana Pitta Lima e Bianca Lucchesi Targhetta, membros do coletivo que conversaram com a redação do iG .

No endereço eletrônico, é possível encontrar de tudo: desde a descoberta de novas espécies de seres vivos à formação de supernovas e até mesmo resenhas de livros e filmes. Lá, todos os artigos científicos utilizados para basear os textos são recentes, reforçando a ideia de que a ciência é para todas e todos e tem impacto no dia a dia.

Foto: Mariana Reis/Sem Perspectiva/Cientistas Feministas
Com uma linguagem acessível e didática, o blog das cientistas quer mostrar que a ciência pode ser feita por todos

“Além disso, todos os textos são de autoria própria, estimulando a divulgadora científica que existe em cada uma de nós”, ressaltaram elas. Juntas por um ideal que ganha força a cada dia, o conteúdo é baseado, muitas vezes, em experiências pessoais. “É a cada novo texto reafirmar que mulheres podem e fazem ciência de qualidade”.

Hoje o blog conta com 70 colaboradoras, entre colunistas e ilustradoras voluntárias, de todos os cantos do Brasil – e até de outros países. Os materiais publicados são organizados em oito editorias, e lá é possível encontrar textos sobre astronomia, biociências, ciências da saúde, ciências humanas e sociais, física, matemática, química e ainda uma coluna chamada de “em off: feminismo”.

Feminismo + ciências = empoderamento

Além da paixão pela ciência, as participantes do projetos também compartilham uma ideologia em comum: o feminismo. Usar o movimento que promove a conquista e o acesso a direitos iguais entre homens e mulheres em um âmbito que ainda é composto, em sua maioria, por pessoas do sexo masculino foi a maneira que elas encontraram de reforçar a importância da representatividade no mundo acadêmico.

“Apesar do progresso em relação ao espaço ocupado por mulheres na ciência brasileira, que têm publicado mais e recebido mais financiamento para pesquisa, ainda existe uma desigualdade de gênero importante. Cargos de maior prestígio e visibilidade ainda têm sido ocupados prioritariamente por homens”, ressaltam.

Para embasar esse argumento, coletivo aponta para uma pesquisa recente que mostrou que as mulheres ocupam os espaços mais baixos nos níveis do sistema de classificação de pesquisadores para receberem bolsas de produtividade pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, enquanto os homens ocupam as posições mais elevadas. “O que reproduz o cenário de desigualdade mas amplo do mercado de trabalho. As mulheres também estão em menor representação na Academia Brasileira de Ciências”, analisa o coletivo.

Na opinião de todas elas, desde a formulação de críticas à própria maneira de produzir ciência – seus pressupostos teóricos e metodológicos – podem sofrer influências feministas.

“Importante citar a contribuição fundamental das teóricas feministas negras para complexificar essa crítica [às barreiras impostas às mulheres no acesso ao campo científico], incluindo a categoria de raça para revelar mecanismos de opressão”, pontuam.

Elas usam como exemplo a ativista americana e filósofa socialista Angela Davis, que esteve no Brasil ano passado e está à frente da convocação da greve internacional das mulheres no 8 de março.  “A militância feminista enfrenta desde os mecanismos de exclusão das mulheres no âmbito acadêmico, a crítica da própria ciência e de como tem sido divulgada e produzida historicamente. A agenda precisa ser permanentemente atualizada, incluindo novas pautas”.

Questionadas sobre qual é o melhor caminho para mudar esse cenário, elas insistem em dizer que representatividade é fundamental. O meio que elas encontraram de promover esse conceito foi a partir da internet. Com uma plataforma de fácil acesso e linguagem didática, elas conseguem provar que é possível que mulheres façam ciência, escrevam sobre ciência, participem ativamente da vida acadêmica, do movimento feminista e de discussões pertinentes à sociedade.

Leia também: Do outro lado da urna: a ação política feminina 87 anos após o direito ao voto

“Todas nós estamos aqui representando um pouco das mulheres cientistas, buscando fugir dos estereótipos. Cada colaboradora do blog tem sua própria história de inspiração para a ciência e é com esse pensamento que nos dedicamos à missão de inspirar outras mulheres”, concluem. Vida longa à ciência feminista!

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/ciencia/2018-03-08/mulheres-na-ciencia-hoje.html