Cientistas descobrem a maior pegada de dinossauro do mundo (com 1,75 metros!)

Segundo estudo feito na Austrália, o rastro gigante pertenceu a um saurópode, uma espécie de dinossauro herbívoro e de pescoço longo; grupo de estudiosos encontrou mais de 150 pegadas de 21 espécies diferentes
Foto: Reprodução/CNN - 27.03.2017
Apesar de ser impressionante, o rastro gigante do dinossauro é apenas parte de uma série de descobertas feitas na Austrália

Uma “patinha” de 1,75 metros. Este é o comprimento da maior pegada de dinossauro do mundo, descoberta no noroeste da Austrália no mês de julho do ano passado, segundo revelou o autor do estudo nesta segunda-feira (27).

Leia também: Primeiros habitantes da Terra! Cientistas acham sinais de vida de 3,8 bilhões de anos

De acordo com o canal de TV “CNN”, o rastro gigante pertenceu a um saurópode, uma espécie de dinossauro herbívoro e de pescoço longo. Anteriormente, os cientistas haviam encontrado uma pegada de 1,15 metros na Bolívia, pertencente a um animal carnívoro (e continua sendo a maior delas deste tipo de dinossauro).

"As gigantescas pegadas são, sem dúvida, espetaculares", afirmou Steve Salisbury, autor do estudo e professor da Universidade de Queensland. "Não há nada que se aproxime (a este comprimento)”, completou.

Parque dos Dinossauros da Austrália

Apesar de ser impressionante, o rastro gigante do saurópode é apenas parte de uma série de descobertas maravilhosas feitas na região apelidada de “Australia’s Jurassic Park” (Parque dos Dinossauros da Austrália, em tradução livre). Isso porque o grupo de cientistas liderado por Salisbury acaba de identificar 150 pegadas de 21 espécies diferentes de dinossauros, de acordo com um anúncio da Universidade de Queensland nesta segunda-feira.

Leia também: Safadinhas! Aranhas são flagradas praticando 'ménage à trois'

As pegadas correspondem a dez espécies da classe dos sauropsidas (quatro de Ornitópodes), seis de gliptodonte e cinco de dinossauros predadores. Salisbury afirmou que a descoberta "é extremamente importante porque representa o primeiro registro de dinossauros não-aviários na metade ocidental do continente e é a única marca da fauna de dinossauros da Austrália durante a primeira metade do [período] Cretáceo inferior".

 O estudo dos cientistas foi realizado em Walmadany, uma zona rochosa da Austrália Ocidental, que possui entre 127 e 140 milhões de anos. O povo aborígine Golarabooloo, habitante tradicional de Walmadany, pediu a Salisbury e sua equipe que investigassem os rastros depois que o governo selecionou a zona para construir instalações de processamento de gás natural liquefeito.

Leia também: Gigante! Cientistas acham fóssil de pinguim de 1,50 metros e 61 milhões de anos

As milhares de marcas de dinossauro achadas na região foram incluídas no Patrimônio Nacional do país, em 2011. Todas as 150 pegadas identificadas pelo grupo de cientistas são mais antigas que a maioria dos fósseis descobertos na parte oriental do território australiano. Segundo os cálculos dos estudiosos, elas possuem entre 90 e 115 milhões de anos, segundo o comunicado feito pela universidade. As pegadas de dinossauros aparecem nas canções dos Goolarabooloo sobre o criador Marala, também conhecido como homem emu, que entregou a este povo suas leis.

 *Com informações da "CNN" e Agência Brasil

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/ciencia/2017-03-27/dinossauro.html